Holiday
Holiday

Thaisa Galvão

22 de agosto de 2017 às 18:04

Anteros: prisões são prorrogadas por mais 5 dias [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O Ministério Público Federal pediu a prorrogação, pela segunda vez, por mais 5 dias, das prisões temporárias de Adelson Freitas e Magaly Cristina, alvos da operação Anteros, que cumpriu mandado de busca na casa do governador Robinson Faria.

Pelo que determinou o ministro do STJ, Raul Araújo, eles permanecerão detidos até segunda-feira, dia 28.

O primeiro pedido de prorrogação terminaria hoje.

22 de agosto de 2017 às 9:46

Lei do Queijo, de autoria do deputado Hermano Morais e sancionada pelo Governo é destaque no Estadão de hoje [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Lei sancionada pelo Governo do Rio Grande do Norte foi destaque na edição de hoje do Estadão.

A repoetagem não conta, mas a autoria da lei é do deputado estadual do RN, Hermano Morais (PMDB).

Por Débora Pereira
“É preciso ao menos dois anos para que todos estejam dentro da legalidade” disse Acácio Brito, do Sebrae. 

De acordo a Agência de Desenvolvimento do Seridó (Adese), a região produz mensalmente 74 mil quilos de queijos de coalho, 236 mil quilos de queijo de manteiga, 506 quilos de ricota e 22 mil litros de manteiga de garrafa, empregando 1.056 pessoas. 

Estima-se que há mais de 350 queijarias artesanais potiguares, sendo que 311 estão nos 28 municípios do Seridó, sertão do Rio Grande do Norte.
O cadastro das queijarias será feito pelo governo em parceria com o Sebrae-RN, a Associação Norte-rio-grandense de Criadores (Anorc), a Emater-RN, a Federação das Associações Comerciais do RN (Facern) e outras.
“Ser queijeiro no Rio Grande do Norte não é fácil como ser queijeiro em Minas Gerais não”, disse Adriana Lucena, chef de cozinha do restaurante Quinta da Aroeira, em Jandaíra, Rio Grande do Norte. 
Militante da slowfood e defensora da cultura das comidas sertanejas, ela acha que os mineiros são os que mais têm incentivos do seu governo estadual para o queijo artesanal no Brasil. 

“Mas a nossa lei do queijo artesanal promete ajudar a preservar a cultura e a tradição ancestral e todos estão muito empolgados”, contou ela, que ajudou na elaboração do texto da Lei nº 10.230, publicada em 7 de agosto de 2017 e batizada de Lei Nivardo Mello.

A reportagem do Estadão fala da lei, da Bolsa Queijo, de como fazer os queijos manteiga e coalho, do tacho de cobre, dos desafios da regularização, e conta quem foi Nivardo Mello.

CLIQUE AQUI E LEIA A REPORTAGEM COMPLETA

22 de agosto de 2017 às 8:00

Raquel Dodge monta equipe linha dura para comandar a PGR no lugar de Rodrigo Janot [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Da Folha
Dodge monta equipe com veteranos de casos rumorosos de corrupção
RUBENS VALENTE

REYNALDO TUROLLO JR.

O grupo de transição para a posse da futura procuradora-geral da República, Raquel Dodge, é formado por cinco procuradores com experiência em rumorosos casos penais e de improbidade.
Dodge deverá tomar posse às 10h30 do próximo dia 18. Ela foi nomeada pelo presidente Michel Temer após ficar em segundo lugar na lista tríplice eleita pela categoria, e não era o nome apoiado pelo atual procurador-geral.
Diferentemente de Janot, que não atuava na área penal até assumir a PGR, e que se cercou de procuradores com pouco registro nessa seara, Dodge tem ligação antiga com processos criminais e escalou nomes que estiveram à frente de investigações espinhosas antes da Lava Jato.
A escolha desses nomes, contudo, não significa necessariamente que o combate à corrupção será a única prioridade. Dodge tem dito a interlocutores que pretende destacar questões ligadas a direitos humanos, comunidades tradicionais e meio ambiente.
A equipe de Dodge se reuniu três vezes na última semana com membros da gestão de Janot. Os encontros trataram principalmente dos recursos humanos e orçamentários. Detalhes sobre o conteúdo de investigações como as da Lava Jato não estão sendo abordados, segundo a Folha apurou, porque ainda há aspectos sob segredo de Justiça que só poderiam ser tratados a partir da posse de Dodge.
Integram o grupo de transição de Dodge os procuradores regionais do Distrito Federal Raquel Branquinho, Alexandre Camanho, José Alfredo de Paula Silva, Alexandre Espinosa e Lauro Cardoso.
Procuradora desde 1997, Branquinho trabalhou em Campinas (SP) e no Rio, onde atuou no caso Marka/FonteCindam, em referência a duas instituições financeiras.
O escândalo sobre supostas informações e operações privilegiadas levou à queda do então presidente do Banco Central, Francisco Lopes, e ao pedido de prisão e posterior fuga do país do dono do Marka, Salvatore Cacciola.
Branquinho mudou-se para Brasília em 2003. “Aqui as grandes questões, eu vejo que as grandes fraudes, os grandes desvios de recursos, eles estão vinculados a um sistema engendrado dentro do Estado. É preciso uma força muito grande”, disse em 2005.
Depois, passou a auxiliar o então procurador-geral da República, Antonio Fernando, no mensalão. Ao lado dela, estavam outros dois procuradores que agora participam da equipe de Dodge, Espinosa e José Alfredo.
Uma década mais tarde, como procurador regional no DF, Alfredo atuou na Operação Zelotes, que investiga esquema de fraudes no Carf, conselho no qual contribuintes recorrem de multas da Receita Federal.
Em 2007, os dois foram criticados pelo ministro do STF Gilmar Mendes, que sugeriu que eles e outros colegas faziam uso político de denúncias e procedimentos no MPF sobre improbidade administrativa.
Quando era advogado-geral da União no governo FHC, Mendes havia sido alvo de ação de improbidade aberta por um colega de ambos. O processo era sobre contratos fechados pelo instituto de direito do qual o ministro é sócio, o IDP –a ação não prosperou.
Camanho, outro membro da equipe de transição, atuou no caso Collor-PC Farias e na investigação sobre a venda de ambulâncias superfaturadas conhecida como “máfia dos sanguessugas”.
Com experiência na área criminal, Cardoso, o quinto nome, cumpriu funções administrativas como chefe da Procuradoria no DF e secretário-geral da PGR na gestão de Roberto Gurgel e no primeiro mandato de Janot.

22 de agosto de 2017 às 1:24

Delação de Funaro tem 48 anexos que miram no PMDB [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do Antagonista:
EXCLUSIVO: FUNARO FECHA DELAÇÃO PREMIADA
O Antagonista apurou que Lúcio Funaro acaba de fechar seu acordo de colaboração premiada com a PGR. 

A delação tem 48 anexos e implode a cúpula do PMDB.
Funaro agora vai detalhar esses anexos em depoimentos na carceragem da Polícia Federal.
Depois é só homologar.

22 de agosto de 2017 às 1:20

Protegido por Michel Temer, o ministro Moreira Franco começa a despencar [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O ministro Moreira Franco foi a novidade do PMDB na reta final da gestão de Rodrigo Janot na Procuradoria Geral da República, que fechou a delação do doleiro Lúcio Funaro.
Não foi à toa que o presidente Michel Temer trocou o status de secretário pelo de ministro para Moreira, como forma de garantir o foro privilegiado do peemedebista.
Leia nota do Antagonista, que está adiantando pontos da delação premiada de Funaro:
Exclusivo Antagonista: Funaro confirma propina da Hypermarcas
O Antagonista apurou que, em sua delação, Lúcio Funaro contou sobre o pagamento de R$ 20 milhões pelo grupo Hypermarcas ao PMDB da Câmara, a pedido de Moreira Franco.
Funaro havia sido apontado pelo também delator Nelson Mello, ex-diretor da Hypermarcas, como operador de propina do PMDB ao lado de Milton Lyra, que atuava junto no Senado.

22 de agosto de 2017 às 1:04

Funaro revela os caminhos do dinheiro de Eduardo Cunha e Henrique Alves no exterior [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O site O Antagonista adianta pontos da delação do doleiro Lúcio Funaro, operador do PMDB, fechada nesta segunda-feira.

Eis um dos pontos:

Exclusivo: Funaro entrega contas de Cunha e Alves




O Antagonista apurou que Lúcio Funaro, no acordo de colaboração firmado hoje, entregou as contas usadas por Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves para esconder propina do PMDB no exterior.
Funaro detalhou todo o caminho do dinheiro. 
O doleiro explicou como funcionava a corrupção no grupo liderado por Michel Temer.

22 de agosto de 2017 às 0:44

Temer comete nova gafe internacional ao trocar Paraguai por Portugal [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O presidente Michel Temer não consegue cumprir uma agenda internacional sem cometer uma gafe.

Nesta segunda-feira, diante do presidente uruguaio, chamou o Paraguai de Portugal.
Horácio Cartes veio ao Brasil e foi recebido em um almoço no Itamaraty. 
Durante discurso, Temer cometeu a gafe quando falava sobre relação entre os países.


Em uma viagem a Noruega, chamou o Monarca noieguês de Rei da Suécia.

Sem falar no discurso garantindo que o Brasil não passava por crise nenhuma.

22 de agosto de 2017 às 0:28

PF vê indícios de envolvimento de Agripino em esquema no BNDES e senador diz que nunca teve poder no governo do PT [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do G1

PF conclui inquérito sobre José Agripino e vê indícios de corrupção e lavagem




Polícia Federal concluiu investigações sobre irregularidades na liberação de recursos pelo BNDES para estádio no RN. Em nota, Agripino disse que apurações mostrarão que ele não tinha ‘força’ para isso




Por Ana Paula Andreolla e Gabriel Palma, TV Globo, Brasília





A Polícia Federal (PF) informou nesta segunda-feira (21) ter concluído o inquérito sobre o senador José Agripino Maia (DEM-RN) e encontrado indícios dos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.
A PF investiga supostas irregularidades na liberação de recursos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a construção do estádio de futebol Arena das Dunas, em Natal (RN).

Procurada, a assessoria de José Agripino enviou à TV Globo a seguinte resposta:
“A acusação que me fazem é de ter exercido influência para que o BNDES efetuasse o pagamento de faturas decorrentes de um autofinanciamento contratado pela própria OAS junto ao banco. Tenho certeza de que as investigações vão terminar pela conclusão óbvia: que força teria eu, líder de oposição na época, para liberar dinheiro do BNDES, cidadela impenetrável do PT?”

22 de agosto de 2017 às 0:04

Brasília: uma onça no Itamaraty [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do G1
Onça invade prédio do Itamaraty, em Brasília, após incêndio em mata próxima
PM Ambiental foi chamada e fazia buscas até as 23h; não há registro de incidentes. Imagens mostram animal adulto na área interna do prédio, mas ministério não divulgou gravação

Uma onça de porte médio invadiu as dependências do Palácio do Itamaraty, no centro de Brasília, na noite desta segunda-feira (21). Segundo a Polícia Militar, imagens das câmeras de segurança do prédio confirmam que o animal chegou a andar pela área interna de um dos anexos, na Esplanada dos Ministérios. 

As imagens não foram divulgadas.
Até as 23h, equipes da PM Ambiental ainda faziam buscas na garagem do prédio e na área externa. 
De acordo com a corporação, não havia registro de pessoas feridas ou ameaçadas diretamente pela onça, até aquele mesmo horário.
Pelas imagens, o comandante do grupamento ambiental diz suspeitar que o animal seja uma onça pintada ou preta, de porte médio e cerca de 60 kg. 
Pelas imagens, o animal chegou a rondar uma área atrás do anexo II do Itamaraty – prédio conhecido como “Bolo de Noiva” pelo formato arredondado.
No momento do chamado, por volta das 21h30, a equipe da PM atendia a uma ocorrência em São Sebastião, a 23 km de distância. 
Quando os militares chegaram ao Itamaraty, cerca de 40 minutos depois, o felino já não estava na mira das câmeras de segurança.
Incêndio próximo
No início da noite, um foco de incêndio atingiu área de mata próxima ao Itamaraty, entre a Esplanada dos Ministérios e a Vila Planalto. 
Funcionários da pasta federal acreditam que a onça tenha se assustado com as chamas, e fugido em direção à área central de Brasília.