Thaisa Galvão

26 de setembro de 2017 às 7:37

Programa do Leite segue com fornecedores que não estão irregulares  [0] Comentários | Deixe seu comentário.

E a história se repete…

Alguns laticínios não estão cumprindo as regras e terão que ser excluídos do programa do Leite do governo do Estado, operado pela Secretaria de Assistência Social.
De acordo com o Ministério Público, há presença de laudos de análise com resultados insatisfatórios para determinação de coliformes a 45ºC, acondicionamento e transporte inadequados. 
Esses são alguns dos problemas detectados em inspeções realizadas pela Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária (Suvisa), em parceria com os órgãos de vigilância sanitária dos municípios potiguares e com o Laboratório Central de Saúde Pública do Rio Grande do Norte (Lacen), em pontos de distribuição do Programa do Leite. 
Diante das falhas encontradas, o  MPRN recomendou a suspensão dos contratos firmados com esses fornecedores identificados.
Os irregulares tem prazo máximo de 30 dias para adotar as medidas legais e garantir o fornecimento ao Programa do Leite.

 

Para quem não se lembra…

Foi no governo Garibaldi Filho que a Assembleia Legislativa instaurou a CPI do Leite, exatamente por causa de irregularidades como adulteração do produto.

Além de coliformes fecais foi identificado fornecedor trocando leite in natura – que teria que ser comprado a produtores do RN, como uma das regras do programa – por leite em pó.

À época houve denúncia, prisão, condenação…

Aguardar agora que a falha seja mais leve e que os fornecedores identificados como fora das normas consiga se adaptar às exigências da saúde pública para não prejudicar um programa que tem salvado vidas de crianças e idosos carentes no Rio Grande do Norte.
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*