Thaisa Galvão

23 de outubro de 2018 às 17:19

Assessoria de Gerado Azevedo pede desculpas pelo cantor e diz que ele não foi torturado pelo General Mourão [1] Comentários | Deixe seu comentário.

O cantor Geraldo Azevêdo se esqueceu de fazer as contas quando disse, sábado, no show que fez no interior da Bahia, que quando foi preso, na ditadura, foi torturado por militares como o General Mourão, vice do presidenciável Bolsonaro.

Geraldo Azevedo foi preso em 1969 quando tinha 24 anos.

Mourão tinha 16, portanto, nem era militar ainda.

A assessoria do cantor emitiu nota tentando amenizar a besteira que ele falou.

Nota

No último fim de semana, Geraldo declarou em um show no interior da Bahia que o general Mourão era um dos torturadores da época de suas prisões. No entanto, o vice-presidente do candidato Jair Bolsonaro não estava entre os militares torturadores.

Geraldo Azevedo se desculpa pelo transtorno causado por seu equívoco e reafirma sua opinião de que não há espaço, no Brasil de hoje, para a volta de um regime que tem a tortura como política de Estado e que cerceia as liberdades individuais e de imprensa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*