Thaisa Galvão

11 de novembro de 2018 às 13:59

TRE não contou votos que beneficiariam Beto Rosado porque candidatura de Kerinho foi indeferida por ‘falta de documentos’ [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Por que o TRE não computou os votos do candidato Kerinho (PDT), que disputou mandato de deputado federal no Rio Grande do Norte, gerando essa polêmica judicial, botando em questionamento o mandato do federal eleito Fernando Mineiro (PT)?

A polêmica criou a expectativa de assumir com votos de legenda do deputado federal Beto Rosado (PP), que somaria à sua votação e da coligação, os votos de Kerinho.

O TRE garante que o candidato Kerinho não juntou os documentos necessários para a candidatura, tanto que seu registro de candidatura foi indeferido.

O indeferimento pelo TRE teve também como base o parecer da Parecer da PRE – Procuradoria Regional Eleitoral ressaltando que ‘não foram juntados os documentos imprescindíveis para o registro da candidatura’.

11 de novembro de 2018 às 12:24

Mineiro ou Beto? Justiça decidirá quem vai compor a bancada do RN na Câmara dos Deputados [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A polêmica contagem dos votos do candidato a deputado federal Kerinho (PDT) continua na pauta.

Ele garante que ao registrar sua candidatura no TRE do Rio Grande do Norte apresentou toda a documentação exigida.

Porém, a surpresa nas apurações quando seus votos não foram computados, mudando o resultado das urnas.

Foram 8.990 que se tivessem sido computados, teriam sido suficientes para reeleger, com voto de legenda, usando a soma da coligação formada pelo PDT, MDB, DEM, PP e Podemos, o deputado federal Beto Rosado (PP).

Sem contar os votos de Kerinho, os votos da legenda não foram suficientes para fazer mais um deputado além de Walter Alves (MDB), e o eleito foi Fernando Mineiro, do PT.

Mineiro foi o terceiro federal mais votado, com 98.070 votos.

Beto foi o oitavo, com 71.092.

Teve 742 mais votos do que Fábio Faria (PSD), que entrou na oitava e última vaga, mesmo com menos votos do que Beto.

Caso os 8.990 votos de Kerinho sejam computados, beneficiarão Beto, que não terá mais votos do que Mineiro, o terceiro…

Mas levando em consideração a coligação, Beto ficaria, sim, na frente dos votos de Mineiro.

Coisas da legislação eleitoral capaz de tirar o mandato do 3º mais votado para diplomar e dar posse ao 8º.

Culpa deles, os políticos, que fazem reformas políticas que nem mesmo eles entendem.

Mas o deputado Fernando Mineiro não acredita em reviravolta no resultado das urnas.

“O Ministério Público Eleitoral e o TRE, à unanimidade, indeferiram a candidatura (de Kerinho) justamente por ele não ter cumprido as exigências no prazo legal”, declarou Mineiro, lembrando que a candidatura de Kerinho foi indeferida antes mesmo do pleito.

Aí voltando à contagem dos votos…

Logo que terminou a apuração, tanto o advogado de Kerinho quanto a defesa da coligação da qual Beto Rosado fez perto, começou a questionar judicialmente os votos do candidato do PDT.

No TRE a explicação: Kerinho não entregou a documentação completa ao registrar a candidatura.

Ao Blog, Kerinho disse hoje que entregou tudo, um dia antes de terminar o prazo.

“Entreguei tudo o que um candidato precisa entregar. Certidões, diplomas, afastamento de cargo”, disse o candidato, afirmando que a ele foi cobrado o diploma da faculdade de Ciências Contábeis.

“Eles queriam a prova e ela está lá, é só eles abrirem”.

Kerinho se refere ao arquivo digital com toda a documentação.

E foi esse arquivo que a defesa da coligação pediu para o TRE apresentar, que virou o centro da polêmica.

Porque o TRE negou o pedido e não abriu o arquivo criptografado que só a justiça eleitoral tem acesso.

Com a negativa do TRE, a defesa recorreu ao TSE e a novidade é que o ministro Jorge Mussi deu um prazo de 5 dias para o TRE abrir a caixa preta da eleição e apresentar o arquivo com a documentação entregue por Kerinho no momento do registro de candidatura.

Os 5 dias (o documento não falou em dias úteis) termina na terça-feira, dia 13.

Se do arquivo individual constarem todos os documentos do candidato Kerinho, os votos serão computados e o deputado Beto será reeleito, tirando da bancada eleita o deputado estadual Fernando Mineiro.

Mas aí, se a documentação tiver completa fica a perguntinha ‘besta’:

Por que cargas d’água os votos do candidato não foram computados?

Outra pergunta besta ao TRE: por que não abrir o arquivo individual para apresentar a documentação entregue pelo candidato Kerinho?

O prazo tá correndo…

E até terça-feira o resultado do terceiro turno das eleições do Rio Grande do Norte deverá ser conhecido.

“Estou muito feliz porque o ministro acatou o pedido para o TRE ler o material que foi entregue. Eles queriam provas, as provas estão lá e eles não abriram. Estou torcendo muito porque fiz uma campanha justa e honesta, fiz uma campanha limpa”, declarou ao Blog o candidato Kerinho, como é conhecido Kericlis Alves Ribeiro, que já foi vereador e presidente da Câmara do município de São José de Mipibu.

Mineiro também segue tranquilo aguardando o resultado.

“Não existe nenhuma jurisprudência que o favoreça, ao contrário. Estou confiante e certo que o TSE julgará à luz da legislação e não por interferência política”, afirmou Mineiro.

11 de novembro de 2018 às 11:14

Ceará é o único estado do Brasil a vender suas potencialidades turísticas no concorrido Salão do Automóvel [0] Comentários | Deixe seu comentário.

No Salão do Automóvel que acontece a cada dois anos em São Paulo, e que foi aberto na quinta-feira e seguirá até domingo, 18, estão sendo lançadas novidades como o Chevrolet Bolt, o Nissan Leaf, Renault Zoe, Fiat Fastback, Volkswagen T-Cross e Ford Territory….

E só o Ceará entre os estados brasileiros se destaca como único a ‘lançar’ suas potencialidades turísticas.

No evento que reúne milhares de pessoas de todo o país que vão a São Paulo, o Turismo cearense foi atrás desse público que viaja.

E montou um estande com a cara e o jeito do Ceará.

Bem que nosso RN poderia estar aí…

Veja o estande cearense:

11 de novembro de 2018 às 9:09

Bolsonaro e seus furos de reportagem nos canais próprios de comunicação que marcarão o jornalismo brasileiro no próximo governo [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O presidente eleito Jair Bolsonaro tem deixado muito claro.

Vai priorizar os seus próprios veículos de comunicação para fazer anúncios oficiais, mandar recados, dar respostas, notícias em primeira mão.

Os furos de reportagem serão sempre dele.

No Twitter para a comunicação mais rápida, no Facebook/Youtube para as análises e conversas mais longas com a população, no Instagram para os vídeos mais curtos.

Se ele vai precisar da mídia oficial, ali na frente se saberá.

Mas, por enquanto, vai seguindo o baile com a sua própria “Rede Globo”.

Bolsonaro – ou seu filho Carlos, vereador no Rio de Janeiro, que pensa e cuida de suas redes sociais – tem consciência que tem na mão um sistema de comunicação, e não se cansa de usar.

Dúvida zero que ele vai abolir os pronunciamentos em cadeia de emissoras de TV em vésperas de datas ou anúncios oficiais como faz Michel Temer e como fizeram Dilma, Lula, FHC, Itamar, Collor, Sarney…

Bolsonaro deverá usar preferencialmente suas redes sociais.

E sabe que falando ali, como quiser e quanto tempo quiser, e sem gastar um real, o que disser terá repercussão na mídia tradicional, incluindo, claro, a Rede Globo.

Boicotar a rede de comunicação de Bolsonaro significará boicotar o noticiário oficial do Brasil.

As lives (ao vivo) que ele tem feito no Facebook, postadas em seguida no Youtube, são reproduzidas – em parte – nas emissoras de TV.

E repercutidas em blogs, portais, revistas, jornais impressos…

No Twitter Bolsonaro só segue 240 perfis, mas é seguido por mais de 2 milhões e 300 mil…

No Instagram tem 7 milhões e 200 mil de seguidores…

Na página do Facebook, mais de 8 milhões de curtidas…

No canal do Youtube, mais de 2 milhões de inscritos.

Com os milhões de seguidores (vale ressaltar que nem sempre o número de seguidores de uma rede se soma ao de outra, porque muitas pessoas seguem todas as redes), Bolsonaro segue com voz própria, ao ponto de boicotar veículos de comunicação nas coletivas a que se submete, como fez com os impressos O Globo, Folha e Estadão, e grava na íntegra, para depois publicar, as entrevistas que concede às emissoras de TV, como postou no Facebook/Youtube a íntegra dessa entrevista a um repórter da Record.

A intenção é revelar o bastidor e evitar que, numa edição, seu pensamento seja distorcido.

Nas entrevistas concedidas, a câmera exclusiva do presidente eleito estará sempre presente.

E falará mais alto do que as câmeras e microfones da imprensa oficial.

E se a mídia oficial não gostar…e decidir atacar o presidente…terá resposta oficial urgente.

Depois da derrocada da mídia impressa, apesar da sobrevida dos mais fortes, o governo Bolsonaro poderá ser marcado por mais mudanças no jornalismo brasileiro.

Com larga vantagem para a internet e seus diversos canais de comunicação.

Ao vivo, gravado, escrito ou apenas fotografado.

É a hora da mudança naquilo que se chamava antigamente de “imprensa escrita, falada e televisada”.