Holiday

Thaisa Galvão

4 de fevereiro de 2019 às 12:03

Ativista que denunciou médium e cometeu suicídio havia informado sobre suicídio de vítima de João de Abadiânia [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A ativista Sabrina Bittencourt, que coletou denúncias contra o médium João de Abadiânia, se suicidou no sábado à noite.

Morando em Barcelona, na Espanha, ela criou o movimento Combate ao Abuso no Meio Espiritual (Coame).

A notícia foi confirmada, porém a tese de suicídio não chegou a ser divulgada, mas o filho de Sabrina, Gabriel Baum, escreveu em uma rede social: “Ela não queria ser morta pelas quadrilhas nem pelo câncer. Minha mãe lutou até o final. Ela não desistiu. Ela só se libertou do inferno que estava vivendo”, disse Baum, afirmando que a mãe enfrentava um câncer, mas não morreu por causa da doença.

+

Em dezembro, Sabrina Bittencourt deu entrevista à jornalista Mônica Bérgamo, na Folha, e contou que uma outra ativista, que também denunciou o João de Abadiânia, havia cometido suicídio.

Leia a reportagem publicada em 12 de dezembro:

 

Uma das vítimas de João de Deus cometeu suicídio nesta quarta, diz ativista

‘Ela se desesperou quando viu que ele foi trabalhar hoje de manhã’, afirma Sabrina Bittencourt

12.dez.2018 às 19h48

A ativista social Sabrina Bittencourt, que recebeu as primeiras denúncias contra João de Deus, afirma que uma das vítimas do médium cometeu suicídio nesta quarta (12), informa Bruna Narcizo.

“Ela se desesperou quando viu que ele foi trabalhar hoje de manhã”, diz a ativista. Sabrina afirma que seu advogado a orientou a não divulgar nenhum detalhe sobre a morte. “A família da vítima nunca acreditou nos relatos de abuso. São todos seguidores do médium”.

Sabrina está sendo medicada desde que soube da notícia que a deixou em choque.

O Ministério Público de Goiás pediu a prisão preventiva do médium na tarde desta quarta (12), após a série de acusações de abuso sexual feitas por mulheres nos últimos dias.

João de Deus nega as acusações.  “Agradeço a Deus por estar aqui. Ainda sou irmão de Deus. Quero cumprir a lei brasileira. Estou nas mãos da lei. João de Deus ainda está vivo”, afirmou a fiéis na primeira vez que apareceu em público após as denúncias virem à tona.

O médium falou com a imprensa na Casa Dom Inácio de Loyola, espécie de hospital espiritual criado por ele em Abadiânia, no interior de Goiás.

 

Confira a reportagem da FOLHA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*