Thaisa Galvão

13 de abril de 2017 às 9:46

Veja vídeo da delação do ex-executivo da Odebrecht que relata pedido de propina por Temer, Cunha e Henrique [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O depoimento do ex-executivo da Odebrecht, Márcio Farias, que pela primeira vez reuniu entre as denúncias da lava-jato, o chamado ‘triunvirato’ da política brasileira – Michel Temer, Henrique Alves e Eduardo Cunha – foi feito em 14 de dezembro do ano passado na sede da Procuradoria da República, na Paraíba, e ontem veio à tona com teor explosivo.

No vídeo abaixo, todo o depoimento de Márcio Farias.

13 de abril de 2017 às 8:43

Odebrecht: Delator conta cobrança de propina por Michel Temer e os “rapazes” Henrique Alves e Eduardo Cunha [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O trio sempre muito próximo, Michel Temer, Henrique Alves e Eduardo Cunha, todos do PMDB, começa a aparecer junto nas delações da Odebrecht.

Veja reportagem da Folha de hoje:

Um dos ex-executivos da Odebrecht afirmou em sua delação premiada que o presidente Michel Temer comandou em 2010, quando era candidato a vice-presidente, uma reunião em São Paulo em que se acertou o pagamento de US$ 40 milhões de propina relativos a 5% de um contrato da empreiteira com a Petrobras.
Em termo por escrito entregue aos investigadores e em depoimento gravado em vídeo, Márcio Faria da Silva diz que o encontro aconteceu no escritório político de Temer em São Paulo, em Alto de Pinheiros, no dia 15 de julho de 2010, às 11h30.
O ex-executivo, então presidente da Odebrecht Engenharia Industrial, braço da empreiteira responsável por obras industriais no Brasil e no exterior, conta ter ficado impressionado com a naturalidade com que a propina foi cobrada.
Ele relata que além de Temer, que se sentou à “cabeceira da mesa”, participaram da reunião Rogério Araújo, outro executivo da Odebrecht, e os então deputados federais Eduardo Cunha (RJ) e Henrique Eduardo Alves (RN), todos do PMDB, além do lobista João Augusto Henriques.
“Foi a única vez em que estive com Michel Temer e Henrique Eduardo Alves e fiquei impressionado pela informalidade com que se tratou na reunião do tema ‘contribuição partidária’, que na realidade era pura propina”, escreveu Márcio Faria no termo que entregou aos investigadores.
No vídeo de seu depoimento, o ex-executivo da Odebrecht diz que só ficou sabendo que o escritório era de Temer ao chegar ao local. Ele disse que chegaram a conversar amenidades e que ele chegou a perguntar a Temer como era lidar com Dilma Rousseff, pessoa considerada “complicada”.
Outro ex-executivo da Odebrecht que diz ter participado da reunião, Rogério Santos de Araújo –lobista da empreiteira na Petrobras- confirmou aos investigadores o relato de Faria. “Nessa reunião, conduzida por Eduardo Cunha, ele comentou que o contrato seria adjudicado em favor da companhia e que o PMDB contaria com ajuda financeira para campanha política, o que foi concordado por Temer”, escreveu no termo escrito que entregou.
Segundo os delatores, o valor de US$ 40 milhões de propina foi pedido antes da reunião pelo lobista João Augusto Rodrigues, em nome do PMDB, e já era de conhecimento dos participantes.
No encontro os peemedebistas teriam solicitado o cumprimento de “importante contribuição para campanha política” e a “confirmação do compromisso mencionado”, mas sem citar valores específicos. Ainda segundo os delatores, o valor acertado foi desembolsado posteriormente, tendo sido entregue também aos senadores do PT Humberto Costa (PE) e Delcídio do Amaral (MS).
Segundo seu relato, Temer afirmou que qualquer problema com ela seria resolvido pelos “rapazes”, Eduardo Cunha e Henrique Alves. “Sinalizando para o colo dele, disse que os dois rapazes iam resolver os assuntos necessários de interesse do PMDB.”
Márcio Faria diz que na reunião não se falou em valores, “mas ficou claro que se tratava de propina com relação à conquista do contrato e não uma ‘contribuição de campanha'”. “Totalmente vantagem indevida porque era um percentual em cima de um contrato. Era um percentual de um valor determinado no contrato”, reforça no depoimento gravado em vídeo.
Outros delatores da Odebrecht confirmaram a versão de Márcio Faria, com a apresentação de documentos de pagamentos no Brasil e no exterior.
Herdeiro e ex-presidente da empreiteira, Marcelo Odebrecht também falou sobre a reunião em depoimento à Lava Jato. Ele disse ter ouvido relatos de seus auxiliares de que houve pagamento indevido ao PMDB, mas falou não saber valores.
E afirmou que foi questionado sobre a irregularidade pela então presidente da Petrobras Graça Foster e pela própria presidente Dilma Rousseff, que, segundo ele, queria saber se Temer estava envolvido.
Marcelo disse ter relatado às duas que integrantes do PT também receberam propina no caso, o que segundo ele, serviu como um freio para ambas. “Quando coloquei o assunto PT, desarmei a questão. Como iam conduzir [eventual investigação] se o partido dela [Dilma] estava envolvido?”, disse o empresário no depoimento.
OUTRO LADO
A Secretaria Especial de Comunicação da Presidência afirmou em nota que “o presidente Michel Temer jamais tratou de valores com o senhor Márcio Faria” e que “o presidente contesta de forma categórica qualquer envolvimento de seu nome em negócios escusos”.
“[Temer] Nunca atuou em defesa de interesses particulares na Petrobras, nem defendeu pagamento de valores indevidos a terceiros”, diz a resposta, afirmando que a narrativa do ex-executivo “não corresponde aos fatos e está baseada em uma mentira absoluta”.
“Nunca aconteceu encontro em que estivesse presente o ex-presidente da Câmara, Henrique Alves, com tais participantes. O que realmente ocorreu foi que, em 2010 na cidade de São Paulo, Faria foi levado ao presidente pelo então deputado Eduardo Cunha.
A conversa, rápida e superficial, não versou sobre valores ou contratos na Petrobras. Isso já foi esclarecido anteriormente, quando da divulgação dessa suposta reunião”, diz a nota.
Preso em Curitiba sob acusação de envolvimento no esquema da Petrobras, Eduardo Cunha chegou a fazer um questionamento formal em sua defesa sobre se Temer tinha conhecimento de “alguma reunião sua [dele] com fornecedores da área internacional da Petrobras com vistas à doação de campanha para as eleições de 2010, no seu escritório político, juntamente com o sr. João Augusto Henriques”.
O juiz Sergio Moro, que conduz a Lava Jato na primeira instância, indeferiu essa e outras 20 questões que não foram encaminhadas a Temer pois, segundo o magistrado, eram “inapropriadas”.

Assinam a reportagem os jornalistas

RANIER BRAGON, CAMILA MATTOSO, BELA MEGALE, LETÍCIA CASADO, DÉBORA ÁLVARES, MARINA DIAS e BRUNO BOGHOSSIAN

13 de abril de 2017 às 8:30

Governo Robinson e gestão Rosalba em Mossoró não estão na mira das investigações [1] Comentários | Deixe seu comentário.

Não é o Governo Robinson Faria que  vai ser investigado.

Também não é a gestão da prefeita Rosalba Ciarlini, de Mossoró.

O noticiário sobre a Odebrecht citando “o governador Robinson Faria” e a “prefeita Rosalba Ciarlini”, deixou no ar a dúvida sobre o rumo da investigação pedida pelo procurador geral da República, Rodrigo Janot e acatada pelo relator da lava-jato, ministro Edson Fachin.
Da forma como se tem divulgado, parece que o investigado será o ‘governador’, e não o candidato a vice-governador em 2010.

Da forma como se tem divulgado, parece que a investigada será a ‘prefeita’, e não a candidata ao Governo em 2010.
A investigação se dará a uma possível doação da Odebrecht, de 350 mil reais à candidata Rosalba Ciarlini, à época filiada ao DEM.

É assim que está no inquérito.

Não existe um valor determinado para Robinson, que se hoje não fosse governador talvez nem tivesse sido citado.
Era vice da candidata, pai do candidato a deputado Fábio Faria, citado como tendo recebido doação de 100 mil.
Segundo o inquérito, a doação se dava em troca de realização de PPP para obras de saneamento onde a beneficiada seria a Odebrecht Ambiental.
Por aqui não se teve notícia até hoje dessa tal PPP…

E as obras de saneamento que começaram no governo Rosalba e seguem no Governo Robinson Faria – outro governo – não tem dinheiro de empresas.

São tocadas com dinheiro público, do governo federal.
Rosalba, mesmo citada com valor de doação, disse que nunca recebeu dinheiro da Odebrecht…

Robinson, que é citado, mas sem valor de doação, menos ainda.
A doação aos dois será investigada pelo STJ.

12 de abril de 2017 às 10:52

Rosalba diz que nunca recebeu doação da Odebrecht [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Da prefeita de Mossoró, Rosalba Ciarlini (PP), envolvida em inquérito após delações de executivos da Odebrecht.

Rosalba foi citada como tendo recebido doação de 350 mil reais na campanha de 2010, quando era candidata à governadora do Rio Grande do Norte.
Nota
Rosalba esclarece que não fez obra com Odebrecht e nem recebeu doação da empresa.
A respeito da matéria do jornal o Estado de São Paulo, a prefeita Rosalba Ciarlini esclarece que nunca recebeu doação de campanha da Odebrecht nem, durante seu período no Governo do Estado do Rio Grande do Norte, contratou qualquer obra ou serviço com essa empresa ou o grupo e também não recebeu deles qualquer benefício ou favor.
Isso, por si só, prova a completa improcedência da referência a seu nome.

12 de abril de 2017 às 10:09

Aniversariante do dia, governador Robinson Faria cumpre agenda de trabalho e se pronuncia sobre lista da Odebrecht [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Aniversariante do dia, o governador Robinson Faria cumpre agenda administrativa em São José de Mipibu.

No seu instagram, ele se pronuncia sobre citação ao seu nome por delatores da Odebrecht e o inquérito aberto para investigar doação de campanha em 2010, à então candidata ao Governo, Rosalba Ciarlini (PP), quando ele integrava a chapa como vice:


12 de abril de 2017 às 8:22

Fachin devolve a Janot processo envolvendo Garibaldi, Agripino e Felipe para que a PGR justifique abertura de investigações [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Como a pressa é inimiga da perfeição, e a lista da Odebrecht – agora com o aval do relator da lava-jato no STF, ministro Edson Fachin – saiu em cima do fechamento de telejornais, teve coisa que não saiu, e coisa que saiu distorcido…
No caso dos senadores Garibaldi Filho (PMDB) e José Agripino Maia (DEM), também do deputado Felipe Maia (DEM), eles ainda não serão investigados

Como o Blog mostrou, eles integram a lista dos processos que retornaram, por determinação de Fachin, ao procurador geral da República, Rodrigo Janot.

Para que ele acrescente dados que justifiquem a investigação.

Pelo menos por enquanto, em relação à lista da Odebrecht, eles não serão investigados.
Abaixo a notificação referente ao inquérito 4440/DF, que envolve Garibaldi, mas que é o mesmo caso de Agripino e Felipe.

A seguir a lista devolvida a Janot para que sejam acrescidas novas manifestações:


12 de abril de 2017 às 8:08

Henrique investigado no Distrito Federal, RN, Paraná e agora Piauí [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Estranho…

Pela lista da Procuradoria Geral da República, com nomes de políticos citados nas delações de executivos da Odebrecht, o ex-deputado Henrique Alves (PMDB), que não tem foro privilegiado, será investigado pela Justiça Federal do Piauí.

Ele e o ex-deputado e ex-ministro Geddel Vieira, também do PMDB.
Mas, por que Piauí?

Certamente a investigação definirá.
Henrique já é investigado pela justiça do Distrito Federal, no caso da conta na Suíça, e pela justiça do Rio Grande do Norte, numa ação que envolve ele e o ex-deputado Eduardo Cunha.

Agora, além do Piauí, será investigado pela justiça do Paraná.

É que, sem foro privilegiado, a citação ao nome dele foi distribuída para o juiz Sérgio Moro, em Curitiba.

11 de abril de 2017 às 21:42

Garibaldi pede pressa nas investigações e disponibiliza sigilos bancário, fiscal e telefônico [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do senador Garibaldi Filho (PMDB) sobre seu nome na lista da Odebrecht:
N O T A
O senador Garibaldi Filho se declara surpreso com a notícia de inclusão do seu nome nas notícias de delações e, ao mesmo tempo em que nega tais suspeitas, põe-se à disposição da Justiça para quaisquer esclarecimentos, inclusive disponibilizando os sigilos bancário, fiscal e telefônico, e espera agilidade na apuração e responsabilidade na distinção entre doações lícitas e sem qualquer contrapartida das doações irregulares.
Assessoria do Senador Garibaldi Filho

11 de abril de 2017 às 21:37

Agripino se coloca à disposição da justiça para colaborar com investigações [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do senador José Agripino Maia (DEM) sobre citação ao seu nome nas delações da Odebrecht:
NOTA

 
Mesmo não tendo sido candidato em 2014 e desconhecendo o teor das menções a mim atribuídas, coloco-me à disposição da justiça para colaborar com as investigações que se venham a requerer.

  

Senador José Agripino (RN)

Presidente nacional do Democratas

11 de abril de 2017 às 21:31

Robinson, Rosalba, Wilma, Henrique, Garibaldi, Agripino, Fábio e Felipe citados nas delações da Odebrecht [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A lista completa dos nomes citados em delações de executivos da Odebrecht foi divulgada hoje pelo Estadão.

A novidade foi a inclusão dos nomes do governador Robinson Faria, da ex-governadora Rosalba Ciarlini, da ex-governadora Wilma de Faria e do deputado Fábio Faria.

Robinson, Rosalba e Fábio fazem parte de um processo de 2010, quando Rosalba era candidata ao governo e venceu as eleições.
Sem foro privilegiado, Wilma será investigada pela Justiça Federal do RN e o ex-deputado Henrique Alves pela Justiça Federal do Piauí – o que é estranho…ou não.
Abaixo todos os citados do RN:
Na lista que retorna à Procuradoria para nova manifestação:

Na lista de Inquéritos instaurados com retirada de sigilo:



Nessa mesma lista, o potiguar Vicentinho, eleito deputado federal por São Paulo

 

Na lista que foi encaminhada à Justiça comum, de quem não tem foro privilegiado…


Wilma de Faria será investigada pela Justiça Federal do Rio Grande do Norte:

Henrique Alves, ao lado de Geddel Vieira, será investigado pela Justiça Federal do Piauí:

11 de abril de 2017 às 19:16

Marcelo Alecrim faz palestra sobre empreendedorismo no Metrópole Digital [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O empresário Marcelo Alecrim, presidente do Grupo Ale, estará nesta quarta-feira, às 17 horas, no Instituto Metrópole Digital, na UFRN.
Alecrim vai participar de um bate-papo com empreendedores e universitários sobre os desafios e experiências do mundo do empreendedorismo.

Ele atende convite da reitora Ângela Maria Paiva Cruz. 
Quem quiser participar pode se inscrever pelo site https://inova.imd.ufrn.br/inova/public/eventos/detalhesEvento.jsf

11 de abril de 2017 às 16:51

Polícia prende sequestradora de Porcino Segundo que estava foragida [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Policiais civis da 1ª Delegacia de Polícia de Parnamirim prenderam

Agora há pouco, Bruna Pinho Landim.
Ela foi uma das sequestradoras do empresário Porcino Fernandes Segundo. 
Bruna estava foragida do sistema penitenciário.

11 de abril de 2017 às 15:57

Presidentes da Assembleia e Faern firmam parceria em torno de ações para minimizar efeitos da seca [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O presidente da Assembleia Legislativa e presidente do Comitê de Ações de Combate à Seca, deputado Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB), firmou hoje parceria com o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Rio Grande do Norte (Faern), José Vieira.

Juntas as instituições querem promover ações para minimizar os efeitos da seca no Rio Grande do Norte. 
O deputado Gustavo Carvalho (PSDB), também, participou do encontro.
“Alinhar uma pauta para ser viabilizada junto aos governos do estado e federal com a Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Norte irá otimizar nossos mecanismos de pressão em nome do homem do campo que há seis anos sofre com a seca. Vamos pedir apoio de nossa bancada federal e das demais Assembleias da região para que ações efetivas cheguem para o povo do semiárido”, justificou Ezequiel.
“A Assembleia está em sintonia com as dificuldades e buscando soluções para o setor. Essa parceria mostra que estamos trabalhando juntos para pressionar os governos Estadual e Federal para que ações estruturantes cheguem à velocidade e quantidade necessárias”, destacou José Vieira.

11 de abril de 2017 às 13:14

Kelps diz que prefeito desobedeceu TCE e procurador de Contas do Tribunal vai se pronunciar sobre NatalPrev [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Continuou no plenário da Assembleia Legislativa o bate-boca do deputado Kelps Lima (SD) com o prefeito Carlos Eduardo (PDT).

Depois da discussão no twitter ontem à noite, Kelps fez pronunciamento para comentar nota emitida ontem pela Prefeitura contra a decisão do Tribunal de Contas do Estado, que proibiu a prefeitura de pagar aposentados e pensionistas do município com recursos do fundo previdenciário.
Para o deputado, o prefeito desobedeceu o TCE abrindo precedente para que os demais prefeitos do RN tenham o mesmo direito, caso o Tribunal não tome atitude.
O procurador-geral do Ministério Público de Contas, Ricart Coelho, está recebendo a imprensa, agora entre 13h e 14h, para falar sobre a cautelar a respeito do uso dos recursos da NatalPrev.

11 de abril de 2017 às 7:48

Ex-auxiliar do Detran assume chefia do gabinete do deputado Fábio Faria [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Com as mudanças no Detran, o ex-chefe de gabinete do órgão, Antônio Henrique Câmara, seguiu para Brasília onde assumiu, já nesta segunda-feira, a chefia de gabinete do deputado federal Fábio Faria (PSD).
Henrique já tem experiência em assessoria parlamentar, o que levou o deputado a requisitá-lo para reforçar a equipe do gabinete e facilitar as relações com lideranças do interior do Rio Grande do Norte.

11 de abril de 2017 às 7:43

Ex-diretor Júlio César reassume o comando do Detran [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Mudanças no Detran.

O ex-diretor geral, Júlio César, está de volta ao cargo.

A nomeação está no Diário Oficial de hoje:

O atual diretor passa para a chefia de gabinete.

11 de abril de 2017 às 6:41

Fratura Exposta: Operação no Rio manda prender empresários fornecedores do governo e ex-secretário de Saúde [1] Comentários | Deixe seu comentário.

Do G1
PF faz operação para cumprir mandados contra suspeitos de corrupção no RJ
Agentes visam cumprir mandados de prisão contra Sérgio Côrtes, ex-secretário de Saúde no governo de Sérgio Cabral. Investigação apura fraude em licitações e pagamento de propina ao ex-goverrnador
Por Alba Valéria Mendonça e Fernanda Rouvenat, G1 Rio

Agentes da Polícia Federal, do Ministério Público federal e da Receita Federal realizam uma operação, na manhã desta terça-feira (11), para cumprir mandados de prisão contra Sérgio Côrtes, ex-secretário de Saúde do governo Sérgio Cabral, e os empresários Miguel Iskin e Gustavo Estellita. A operação, batizada de “Fratura Exposta”, visa cumprir mandados de busca e apreensão em vários endereços.
A operação investiga fraudes em licitações para o fornecimento de próteses para o do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into). De acordo com as investigações, quando era diretor do Into, Sérgio Côrtes teria favorecido a empresa Oscar Yskin, da qual Miguel é sócio, nas licitações do órgão. Gustavo Estellita é sócio de Miguel em outras empresas e já foi gerente comercia da Oscar Iskin.
A operação também apura desvios na secretaria estadual de Saúde, com o pagamento de propina para o esquema criminoso comandado pelo ex-governador Sérgio Cabral.
As empresas do esquema atuariam de forma conjunta para, com aval dos envolvidos, burlar a competitividade das concorrências públicas e favorecer sempre a Oscar Iskin.
As prisões foram pedidas a partir da delação premiada de César Romero, que trabalhou com o ex-diretor do Into e entregou todo esse esquema. A Iskin é uma das maiores fornecedoras de próteses do Rio. Côrtes entrou como médico no Into em 1990 e de 2002 até 2006 foi diretor do órgão. Em 2007 ele passou a atuar como secretário de Saúde na gestão de Sérgio Cabral, onde permaneceu até 2013.

Agentes da Polícia Federal chegaram pouco antes das 6h desta terça (11) no prédio onde mora o ex-secretário Sérgio Côrtes, na Lagoa

 Agentes da Polícia Federal chegaram pouco antes das 6h desta terça (11) no prédio onde mora o ex-secretário Sérgio Côrtes, na Lagoa (Foto: Fernanda Rouvenat / G1)

Agentes da Polícia Federal, do Ministério Público federal e da Receita Federal realizam uma operação, na manhã desta terça-feira (11), para cumprir mandados de prisão contra Sérgio Côrtes, ex-secretário de Saúde do governo Sérgio Cabral, e os empresários Miguel Iskin e Gustavo Estellita. A operação, batizada de “Fratura Exposta”, visa cumprir mandados de busca e apreensão em vários endereços.
A operação investiga fraudes em licitações para o fornecimento de próteses para o do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into). De acordo com as investigações, quando era diretor do Into, Sérgio Côrtes teria favorecido a empresa Oscar Yskin, da qual Miguel é sócio, nas licitações do órgão. Gustavo Estellita é sócio de Miguel em outras empresas e já foi gerente comercia da Oscar Iskin.
A operação também apura desvios na secretaria estadual de Saúde, com o pagamento de propina para o esquema criminoso comandado pelo ex-governador Sérgio Cabral.
Policiais federais chegaram às 6h em condomínio no Humaitá para prender o empresário Miguel Iskin, sócio de da empresa Oscar Iskin

 Policiais federais chegaram às 6h em condomínio no Humaitá para prender o empresário Miguel Iskin, sócio de da empresa Oscar Iskin (Foto: Alba Valéria Mendonça / G1)

As empresas do esquema atuariam de forma conjunta para, com aval dos envolvidos, burlar a competitividade das concorrências públicas e favorecer sempre a Oscar Iskin.
As prisões foram pedidas a partir da delação premiada de César Romero, que trabalhou com o ex-diretor do Into e entregou todo esse esquema. A Iskin é uma das maiores fornecedoras de próteses do Rio. Côrtes entrou como médico no Into em 1990 e de 2002 até 2006 foi diretor do órgão. Em 2007 ele passou a atuar como secretário de Saúde na gestão de Sérgio Cabral, onde permaneceu até 2013.
Policiais cumprem mandados de prisão e de busca e apreensão em vários endereços no Rio

 Policiais cumprem mandados de prisão e de busca e apreensão em vários endereços no Rio (Foto: Fernanda Rouvenat / G1)

Notificado pelo TCE
Em dezembro do ano passado, o Plenário do Tribunal de Contas do Estado (TCE) determinou a notificação do ex-secretário Sergio Côrtes. Segundo o órgão, durante sua gestão, pelo menos oito cooperativas foram contratadas pela secretaria com dispensa de licitação e sem comprovação efetiva de prestação de serviços. O valor do prejuízo, estimado pelo corpo técnico do TCE, é de R$ 600 milhões.
Em 2015, a CPI da Máfia das Próteses na Câmara pediu que MP e PF aprofundassem investigações sobre a Oscar Iskin.
Côrtes esteve ao lado do ex-governador Sérgio Cabral durante toda sua gestão. Ele aparece na polêmica sequência de imagens em Paris do ex-governador e amigos num restaurante com guardanapos na cabeça.

11 de abril de 2017 às 6:22

Lava-jato nas ruas do Rio mirando na área da Saúde do Governo Cabral [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A área da Saúde do Governo do governo Sérgio Cabral, no Rio de Janeiro, é alvo de operação lava-jato que acontece agora no Rio.
As investigações apontam para fraudes em licitações que beneficiaram fornecedores de próteses para o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia.
Empresário e ex-secretário de saúde na mira da polícia.
Mais informações em instantes.

10 de abril de 2017 às 23:02

Segunda-feira termina com discussão entre o prefeito Carlos Eduardo e o deputado Kelps Lima no twitter [0] Comentários | Deixe seu comentário.

E a noite de segunda-feira termina com discussão entre o prefeito de Natal, Carlos Eduardo (PDT) e o deputado estadual Kelps Lima (SD).
Tudo depois que a Prefeitura emitiu nota contestando decisão do TCE, acatando representação de Kelps, contra o pagamento de aposentados e pensionistas com recursos do fundo previdenciário.
Depois da nota da Prefeitura veio uma nota de Kelps rebatendo o prefeito…que no twitter definiu Kelps como um dos responsáveis pelo “mar de lama” que ele encontrou em Natal quando retomou o comando do Executivo.

Aí Kelps não ficou calado…




A impressão que ficou foi que a campanha para prefeito de Natal está apenas começando….

10 de abril de 2017 às 21:02

Kelps Lima rebate nota da Prefeitura e diz que “Carlos Eduardo é eterno agressor das instituições e poderes” [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Depois da Prefeitura de Natal rebater a decisão do Tribunal de Contas do Estado, de proibir o pagamento de aposentados e pensionistas com recursos, foi a vez do deputado Kelps Lima (SD), autor da representação acatada pelo TCE, rebater a nota divulgada pela Prefeitura.
Abaixo a nota emitida pelo parlamentar:
“CARLOS EDUARDO DESRESPEITA TRIBUNAL DE CONTAS”


1. Nesta segunda-feira, 10 de abril, a Prefeitura Municipal de Natal disponibilizou nota à imprensa em que afirma que, independentemente do decidido pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Norte, estará promovendo ainda hoje o saque no Fundo de Capitalização de Previdência – FUNCAPRE.
2. Sobre essa afirmação, nos cabe salientar que os detentores de mandatos eletivos, inclusive prefeitos, juram solenemente quando de sua posse respeitar a Constituição e as instituições do Estado.
3. Ignorar uma decisão de órgão de controle externo imbuído constitucionalmente do dever de fiscalização é violar frontalmente esse juramento. Inclusive, não se pode esquecer que a posição do Tribunal de Contas tem amparo em estudo de um corpo técnico de servidores concursados e de indiscutível competência.
4. Ao contrário do que faz parecer a nota, os recursos do FUNCAPRE não estão “parados” no sistema financeiro. Um fundo de capitalização serve para prover rendimentos financeiros ao próprio fundo que, no futuro, pagarão as aposentadorias dos servidores. Realizar o saque pretendido comprometerá o pagamento não apenas presente, mas também futuro, de aposentados e pensionistas do Município.
5. A crise financeira pela qual passa o Município demanda medidas administrativas que proporcionem maior economia e eficiência ao gasto público. Contudo, essas medidas não podem, como as propostas pela prefeitura, violar a Lei de Responsabilidade Fiscal e comprometer de forma irremediável o direito dos servidores à aposentadoria.
6. O que se vê em Natal é o derretimento da maquiagem administrativa da gestão de Carlos Eduardo Alves, eterno agressor das instituições e poderes.
7. Esperamos que o TCE e o Ministério Público de Contas tomem as medidas necessárias para fazer valer sua decisão, sob pena de virar regra a desobediência, por parte dos prefeitos, ao principal órgão de controle externo do Estado. Confiamos que as instituições deste Estado farão valer a força do Direito em detrimento do direito da Força.
Kelps Lima

Deputado Estadual