#JornalismoSemFakeNews

7 de novembro de 2009 às 9:40

Conselheiro Rubens Lemos critica proposta de alteração no regimento do ABC

[0] Comentários | Deixe seu comentário.

Começa a gerar polêmica a discussão em torno de alteração no estatuto do ABC.
Conselheiro do Clube, o jornalista Rubens Lemos já declarou ser contra a mudança.
E repassou ao também conselheiro, Leonardo Arruda, seu posicionamento, por escrito, para ser lido na reunião do Conselho Deliberativo do ABC, marcada para segunda-feira, quando Rubinho, como secretário de Comunicação do Estado, estará em Brasília acompanhando a governadora Wilma de Faria.
Eis o texto:
Quem pensa em mudar o estatuto do ABC desconhece a dimensão histórica, cultural e social do nosso clube.
Sou favorável a qualquer mobilização para tirar o Mais Querido da crise.
Crise, aliás, que não é a primeira, tampouco será a última de nossa vida.
O nosso estatuto é a nossa Constituição.
Modificá-lo sem razão lógica é inaceitável.
Quem é abecedista de verdade não precisa criar regras para ajudar o ABC.
Tem o caminho natural e legítimo de se apresentar candidato a presidente.
Ou mesmo de, sem amarras, formar um grupo para fortalecer o futebol e a própria administração do alvinegro.
Por que tanto interesse em fazer de cinco, representantes de uma multidão incalculável?
O amor não rima com lucro.
A paixão não combina com interesse.
Sou contra a terceirização do ABC.
Mesmo porque votei no presidente Judas Tadeu e acho que o mandato é dele, não deve ser transferido até que acabe.
Reeleições ininterruptas levam à dinastia.
O ABC é uma entidade de Natal, do Rio Grande do Norte.
Modestamente, dirijo o departamento autônomo de futsal.
Por confiança do presidente e amor do grupo que me apóia nesta luta: Arturo, Canindé e outros.
Na mesma linha, um grupo de abnegados, à frente Leonardo Arruda, dirigiu o futebol profissional sem formalismos ou legalismos, nos levando a inesquecíveis conquistas.
Nunca exigimos nada.
Nunca quisemos nada em troca.
Remunerar um diretor ou superintendente não deve pressupor, repito, uma violência estatutária.
E o que é pior, combinada em silêncio, sem clareza, sem transparência.
Quem é ABC, não exige nada.
Abre o corpo e a alma e colabora.
Se precisar de dividendos, então não é abecedista.
Sou contra mudar o estatuto.
Sou contra barganha, associação, sociedade, contrato, profissionalização sem clareza.
Nada tenho contra quem propõe rasgar nossas leis internas.
Tenho tudo a favor do ABC.
Que não pertence a ninguém.
É de todos nós.
Dos verdadeiros abecedistas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.