#JornalismoSemFakeNews

21 de setembro de 2010 às 14:10

Dono do Vox Populi prevê risco de José Agripino não se reeleger

[0] Comentários | Deixe seu comentário.

Jornalista com passagens estreladas pelos programas Manchete Urgente, SBT Repórter e Globo Repórter, Luiz Carlos Azenha repercutiu agora há pouco, em seu blog (www.viomundo.com.br), em que ele diz escrever o que a mídia não vê, declarações do dono do instituto Vox-Populi, Marcos Coimbra, sobre as eleições deste ano.
Além de rever a posição do presidenciável José Serra nas pesquisas, o dono do instituto faz um alerta: o senadorável José Agripino Maia pode "não se reeleger".
Eis a publicação do site:

21 de setembro de 2010 às 11:55 
MARCOS COIMBRA REVÊ PARA BAIXO PREVISÃO DE VOTOS DE SERRA

por Luiz Carlos Azenha
www.viomundo.com.br

O presidente do instituto Vox Populi, Marcos Coimbra, está revendo a previsão que fez em artigo publicado na revista CartaCapital (republicado aqui) de que José Serra teria 33% dos votos no primeiro turno das eleições presidenciais.

O cientista político diz que fez a previsão baseado em três premissas:

1. A presença relevante de Serra junto ao eleitorado paulista (40% dos votos do estado, que representam 10% do total);

2. O fato de que ele representa o voto antipetista (cerca de 10% do eleitorado brasileiro);

3. O voto de “respeito” de cerca de 10% do eleitorado nacional (governador de São Paulo, ministro da Saúde, etc.).

Somando tudo isso, Serra teria 30%, ou 33% dos votos válidos.

Porém, no terceiro quesito, os 10% não estão se confirmando, talvez pelo modo como a campanha foi conduzida.

Faltando 12 dias para a eleição, considerando os números disponíveis nas pesquisas, inclusive os do tracking diário do Vox Populi, divulgado pelo IG e pela TV Bandeirantes, Serra deve ficar mais próximo de 25%.

Coimbra vê um avanço de Marina Silva em várias regiões, prevendo que ela fique nos dois dígitos (algo em torno de 12%).

Considerando que os grandes movimentos eleitorais em um país como o Brasil envolvem a decisão de milhões de eleitores, Coimbra prevê uma decisão em primeiro turno. Ao contrário do que dizem outros analistas, ele afirma que a decisão de votar em Dilma Rousseff foi resultado de um processo relativamente longo de amadurecimento e de comparação que não fica sujeito a uma ou outra manchete de jornal, um ou outro episódio da campanha.

Para o Senado, os números do Vox indicam uma perda não só quantitativa da oposição, mas também qualitativa, já que nomes importantes ficarão de fora — Coimbra citou Cesar Maia, no Rio de Janeiro, mas eu acrescentaria Arthur Virgílio que corre risco no Amazonas e outros. De novidade, afirma Coimbra, o risco de José Agripino Maia não se reeleger no Rio Grande do Norte.

Nas eleições estaduais o quadro, de acordo com o presidente do Vox Populi, também é de preocupação para os candidatos do PSDB/DEM. A não ser por Antonio Anastasia, em Minas Gerais, nenhum candidato da oposição está em crescimento — quando muito conseguem manter a estabilidade. Como, neste caso — ao contrário da eleição presidencial, onde os números são estáveis — há candidatos a governador em queda e ascensão, poderemos ter surpresas em 3 de outubro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.