#JornalismoSemFakeNews

10 de outubro de 2010 às 10:17

Auditoria nos governos Wilma e Iberê poderá expor feridas que não interessam ao novo governo

[0] Comentários | Deixe seu comentário.

Na entrevista ao Diário de Natal, entre suas respostas evasivas, a governadora eleita Rosalba Ciarlini deixou uma pergunta no ar: vai ou não vai fazer uma auditoria nas contas do Estado?
A auditoria é a arma que todo governante tem para exibir a radiografia do passado, zerar as contas e dar início à sua gestão.
Coisa que a prefeita Micarla de Sousa anunciou que faria, não fez, e até hoje paga o preço, ao ser apontada como culpada por milacrias que encontrou na Prefeitura de Natal.

Mas…caso faça a tal auditoria para zerar as contas, Rosalba poderá expor feridas que a ela não interessa…
Na Educação, por exemplo, onde na campanha a governadora eleita fazia críticas, pelo fato do Estado, em 8 anos, ter tido 8 secretários…um deles foi o deputado federal reeleito Betinho Rosado, cunhado de Rosalba.
Foi na gestão dele à frente da Secretaria, que foi descoberto um contrato irregular firmado com uma empresa de São Paulo, que foi cantado em verso e prosa, manchetes e manchetes de jornais…e que foi cancelado, por livre e espontânea pressão, pela então governadora Wilma de Faria após as críticas e descobertas.
Numa auditoria, tal fato não poderia ser posto debaixo do tapete.
Ainda na área da Educação, outra cunhada de Rosalba deixou seu DNA: a professora Isaura Rosado, que comandou a Fapern (Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado do RN), instituição do Estado com uma verba polpuda para apoio a pesquisas científicas.
Sobre ela não pesam críticas, mas uma auditoria é sempre uma audiopria, ainda mais se for feita com isenção total.

E pensando mais recentemente….sobre o governador Iberê Ferreira…o cargo mais próximo da mesa do governador, o de secretário chefe da Casa Civil, foi ocupado até poucos dias pelo mossoroense Leopoldo Rosado.
Um Rosado com DNA rosalbista, e que inclusive já está acomodado no novo governo, como presidente da Arsep (Agência Reguladora de Serviços Públicos), com mandato de 4 anos.
Uma adesão patrocinada pelo próprio governador atual, para acomodar o parente da governadora eleita, casado com uma parente sua. Uma espécie de transição familiar sem adesão…mas que deixará Iberê livre de uma auditoria mais pesada e profunda no Gabinete Civil.
Futucar a mesa do governador…é futucar a vida do novo aliado…e da família.
Então…caberá à governadora eleita Rosalba Ciarlini pesar e medir a possibilidade de fazer uma auditoria nas contas do governo.
Se fizer, os seus 813.813 eleitores…agradeceriam.
Já os mais próximos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.