#JornalismoSemFakeNews

5 de novembro de 2010 às 21:50

Curraisnovense representa ministro da Cultura e entrega Prêmio Jabuti a Chico Buarque

[0] Comentários | Deixe seu comentário.

Îrmão do Padre Fábio – o potiguar – o escritor de Currais Novos, Fabiano Santos Piúba, que é Diretor do Livro e da Leitura do Ministério da Cultura, foi quem entregou o Prêmio Jabuti ao cantor Chico Buarque, na noite desta quinta-feira, em São Paulo.
Fabiano participou do evento representando o ministro da Cultura, Juca Ferreira. Eis a notícia postada no site do Minc:

CHICO BUARQUE É O GRANDE VENCEDOR DO PRÊMIO JABUTI
Na cerimônia de premiação, Ministério da Cultura destaca importância do prêmio, que está em sua 52ª edição

O mais importante prêmio literário do País, o Jabuti, organizado pela Câmara Brasileira do Livro (CBL), foi para “Leite Derramado”, de Chico Buarque. A obra também recebeu o troféu de Júri Popular, além de ter sido escolhida como segunda colocada na categoria Romance. É a primeira vez que o mesmo escritor vence três vezes na categoria Melhor Livro do Ano Ficção. Chico Buarque já havia recebido o prêmio máximo em 1992, com “Estorvo”, e depois em 2004, com “Budapeste”.

Na cerimônia de premiação, realizada ontem à noite na Sala São Paulo, na capital paulista, o diretor de Livro, Leitura e Literatura do Ministério da Cultura, Fabiano dos Santos Piúba, representando o ministro Juca Ferreira, destacou a importância do prêmio como uma tradução dos quatro eixos do Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL), instituído em 2006. “Ao mesmo tempo em que o prêmio instiga o acesso aos livros, ele desperta a curiosidade dos leitores pelas obras e autores premiados, podendo ser um instrumento atrativo para a formação de leitores, bem como um meio de comunicação efetivo de valorização da leitura no imaginário do povo brasileiro, pela sua presença midiática. É ainda um meio de fomento à economia do livro e valorização da diversidade cultural e da criação literária e editorial brasileira”, disse Piúba.

Apesar de o romance de Chico Buarque ter ficado em segundo lugar na sua categoria, foi o grande escolhido do júri formado por editores e do júri popular – uma novidade na edição deste ano, com mais de 5 mil votos efetuados pela internet.
Foram escolhidos como livros do ano também: “O Tempo e o Cão”, de Maria Rita Kehl (júri oficial) e “Linguagens Formais: Teoria, Modelagem e Implementação”, de Marcus Vinícius Medena Ramos, João José Neto e Ítalo Santiago Vega (júri popular), ambos na categoria não-ficção.

Minc                                                             Autoridades e ganhadores do Jabuti. Fabiano, o da esquerda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.