#JornalismoSemFakeNews

3 de dezembro de 2010 às 14:06

Procuradora da República aciona justiça contra fotógrafo que clicava menores em poses sensuais

[0] Comentários | Deixe seu comentário.

Foi distribuído para o juiz Raimundo Carlyle, a queixa-crime da procuradora da República, Cibele Benevides Guedes da Fonseca, contra o fotógrafo Júlio César Souza Silva de Abreu e o jornalista Alexandro Oliveira Gurgel, presidente da Aphoto – Associação Potiguar de Fotografia.
Como Carlyle é casado com a advogada Tatiana Mendes Cunha, responsável pela defesa de Cibele, o processo será distribuído para outro juiz.
A queixa-crime foi motivada por uma discussão entre Cibele e Júlio, no Parque das Dunas, em Natal.

Incomodada por ter presenciado o fotógrafo clicando menores em poses sensuais, Cibele, que estava com o marido e a filha de poucos meses, quis saber o motivo das fotos, consideradas por ela, seguindo a lei, como ilegais.
A discussão, que no momento em que aconteceia foi levada ao conhecimento do Procurador Geral de Justiça, Manoel Onofre Neto, durante anos promotor da Infância e da Juventude, motivou, por parte do fotógrafo, uma nota distribuída à imprensa pela Associação citada.
Nota que dizia ter sido, o fotógrafo, agredido pela procuradora, e que ataca a mesma, com texto "ofensivo", o que levou a mesma acionar a justiça, alegando ter sido vítima de calúnia, difamação e injúria.

Na ação assinada pela advogada Tatiana Mendes, ela identifica a procuradora, ao contrário do que foi dito pelo fotógrafo, como uma pessoa que, em 14 anos de vida pública, "nunca respondeu a nenhum processo judicial ou procedimento disciplinar18. É querida e respeitada em seu ambiente de trabalho e fora dele19. Seus colegas de trabalho, amigos e até pessoas de fora de seu círculo de amizade se solidarizaram com a situação presente que foi tida como revoltante por todos".

São testemunhas em favor da procuradora: o médico-marido Raphael Carvalho Sodré Duarte, a advogada Ana Cristina de Melo Costa, o procurador geral Manoel Onofre de Souza Neto, a procuradora da República Clarisier Azevedo Cavalcante de Morais, a servidora pública federal, Mísia Talita Silva Bulhões,e o procurador chefe da Procuradoria da República no RN, Fábio Nesi Venzon.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.