Thaisa Galvão

15 de novembro de 2011 às 23:06

Geraldo Melo 25 anos atrás [2] Comentários | Deixe seu comentário.

Como a memória do povo é curta…principalmente em se tratando de política….

A lembrança está no blog do fotógrafo Cláudio Abdon que registrou: neste feriado de 15 de novembro, há exatos 25 anos, Geraldo Melo era eleito governador do Rio Grande do Norte.

Passado o mandato ele foi senador, atuando como vice-presidente do Senado, à época presidido pelo baiano Antônio Carlos Magalhães.

15 de novembro de 2011 às 22:42

Medalhas dos Jern’s aparecem!!! [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Finalmente!

Depois de uma longa e tenebrosa polêmica, o Blog exibe as tão sonhadas – pelos atletas – medalhas dos Jern´s.

Que pela primeira vez, em 41 anos de existência dos Jogos Escolares, não foram entregues no calor da vitória, como todo atleta sonha.

Atraso na licitação…justificou a Secretaria de Educação. Mesma pasta responsável pela realização dos jogos há 41 anos.

No calor da vitória, só os vencedores dos jogos desta terça-feira, últimos da temporada.

A Escola Estadual Soldado Luiz Gonzaga venceu o CDF Centro por 2 a 0 na final do futebol society e sagrou-se campeã.

Na categoria infantil, o Ouro foi para o Objetivo Natal que venceu o CEI Romualdo por 2 a 1.

Os outros vencedores vão receber as medalhas na escola. Bem sem graça.

Elas já foram encaminhadas às escolas.

A Secretaria agora estuda a data para a solenidade do Atleta-Ouro e Técnico-Ouro.

Sortudos com medalhas e troféu nas mãos

15 de novembro de 2011 às 21:25

Lula cafajeste: por Raimundo Fagner [3] Comentários | Deixe seu comentário.

O jornal Folha de Pernambuco reproduziu ontem a entrevista que o cantor cearense – e quase potiguar (tem fazenda na região Oeste) deu ao blog do jornalista Magno Martins.

Entrevista onde o cantor chama o ex-presidente Lula de cafajeste

Afe…

Eis trechos da entrevista:

FAGNER DESABAFA: ‘LULA FOI CAFAJESTE E CIRO OTÁRIO’

Como vê hoje o cenário da política nacional com a demissão de tantos ministros por corrupção?

 

Isso é o retrato da política no Brasil, que vem empurrando tudo com a barriga. O loteamento de cargos, as coligações que se fazem para chegar ao poder, tudo isso representa uma prática que a gente vem tendo aqui no Brasil muito forte e que impede que pessoas que mais credenciadas possam assumir determinados cargos. Não se escolhem pessoas competentes, porque a prioridade é política. Só uma reforma política talvez fosse capaz de corrigir esse erro, que é muito grave. No Brasil, os partidos vão tomando conta dos cargos e termina acontecendo o que está acontecendo aí (as demissões dos ministros), o que, convenhamos, da forma que observamos e constatamos, é uma grande vergonha.

 

Trata-se de uma herança maldita de Lula?

 

Com certeza! É uma herança do Lula, não só isso, mas tantas outras coisas. Agora, esse momento da Copa, é também uma herança do Lula. Talvez ele, por estar no final de mandato, tenha deixado de negociar com a Fifa. Do jeito que a Fifa, impondo. E ele mesmo não mais aí para defender os pontos que são necessários. Até porque, nós somos o País do  futebol e temos que ter certa prioridade. A Fifa não é dona de tudo. Essa estória está muito muito mal contada. A Fifa atropela em todo canto, com exceção de alguns países. Aqui, no Brasil, é muito difícil, porque já está muito em cima e talvez o Lula tenha aberto essa porteira. A Dilma vai ter dificuldade para botar a casa em ordem e dar os direitos que o povo brasileiro tem para assistir uma Copa do Mundo. Corremos o risco de termos no Brasil a copa do estrangeiro.

 

O senhor acha que Lula tratou bem o Nordeste? E a Dilma vem dando o mesmo tratamento?

 

Eu não sei, porque não estou acompanhando o Governo Dilma. Lula deu muita prioridade ao Nordeste, principalmente aqui para Pernambuco. O governador Eduardo Campos ganhou muito com isso eu acho que ele poderia ser um pouco menos tímido. Talvez seja ainda as asas do Lula que abrandam nas suas costas, mas acho que ele deveria ser um pouco mais aguerrido.

 

Eduardo seria um bom candidato a presidente?

 

É um menino extraordinário, mas para isso não deve ficar muito quieto. Ele tem que mostrar um pouco as opiniões dele, que ninguém conhece ainda no Brasil. Nós sabemos que ele é um bom gestor, que Pernambuco está num momento muito bom também. Isso, provavelmente favorecido pelo carinho que Lula tem com ele e com a sua terra natal. Acho que falta um pouco mais para ele se apresentar para o jogo do ‘buscar a bola’ e não ficar só recebendo. Jogo é jogo, você não pode só ficar recebendo bola boa, tem que sair a campo né? Não tão como Ciro, que é um cara mais despojado, tem a opinião solta, a língua solta. Mas ele pode também se deslocar, porque no futebol é aquele negócio, quem pede tem a preferência.

 

Quando o senhor diz que o Ciro tem a língua solta é uma crítica ao seu estilo de falar demais e na hora errada?

 

O Ciro fala coisas necessárias, só que a mediocridade da nossa política não permite isso. A gente vive ao lado de um bando de corruptos que não diz nada e quando alguém diz reclama. O Ciro é um cara muito autêntico, um cara de personalidade, tem uma história política extraordinária, muitos cargos, ministro, governador, prefeito e ele tem essa condição de falar a hora que quer. Eu acho que se fosse mais esperto, se fosse mais malandro ( mas ele é puro e sincero), não cairia nessa armadilha do Lula de levá-lo para trocar o seu domicílio eleitoral para São Paulo. Lula fez um mal horrível ao Ciro. Eu acho que o Lula foi terrível com o Ciro, não correspondeu ao que o Ciro fez com ele. Na hora em que o Lula precisou do Ciro, num primeiro momento, o Ciro foi e priorizou o Lula para poder contribuir com o País, mudou de lado no seu projeto político e levou um belo drible do Lula. O Lula nessa situação foi um cafajeste e o Ciro otário.

 

Em relação ao PSB, o senhor elogiou o governador Eduardo Campos, mas o Ciro é um grande concorrente de Eduardo para presidente da república dentro do seu partido, no caso o PSB…

 

Com certeza! Mas, para isso o Eduardo precisa se mostrar mais ao País. O povo já conhece o Ciro no que ele sabe fazer de bom e também aonde ele se perde e o Eduardo as pessoas precisam conhecer mais para ele chegar lá. É aquela velha estória de esperar o cavalo passar selado e montar na hora certa. Ele tem uma ligação com Aécio, o Ciro também tem. O fato é que o quadro político no Brasil ainda está muito confuso.

 

O senhor não faz campanha para políticos?

Faço e já fiz muitas, principalmente no Ceará, onde sou muito amigo do Ciro e do Tasso Jereissati. Já cantei também em Minas para o Aécio Neves, que fez uma parceria comigo numa ONG que abri no Ceará. Isso não significa, entretanto, envolvimento direto com a política nem compromisso direto com político A ou B. Eu sou um artista crítico em relação à postura dos políticos brasileiros, que deixam muito a desejar. O tempo passa e não vemos mudanças para melhor no País. Temos agora uma safra de bons políticos, como o próprio Aécio, o Ciro e o Eduardo, este ainda bastante desconhecido e que precisa dizer ao País o que pensa sobre o Brasil, saindo de Pernambuco, onde acompanho a boa avaliação do seu governo.

 

Pensa em um dia largar a música e disputar um mandato eletivo?

 

Não, a política brasileira está num nível execrável. Com raras exceções, os políticos brasileiros não sabem honrar o voto do povo. Não tenho vocação para político. Sou um artista que canta o que o povo quer ouvir, que emociono corações. Não vejo que contribuição poderia dar ao País num momento em que a política se deteriorou tanto.

 


15 de novembro de 2011 às 19:54

A semana começa em queda [1] Comentários | Deixe seu comentário.

A presidente Dilma começa a semana – a segunda imprensada contou pouco – com uma obrigação: demitir o ministro do Trabalho, Carlos Lupi.

Quem mente uma vez, mente 10.

E se pra Dilma valer aquela máxima de criança que diz que…quem mente rouba…

A semana começa com mudança no Ministério da presidente.

Mais uma.

A sexta por corrupção.