Thaisa Galvão

6 de janeiro de 2012 às 10:47

Garibaldi Filho e a liberdade de expressão de quem tem mais de um milhão de votos [4] Comentários | Deixe seu comentário.

O ministro Garibaldi Filho virou alvo dos abecedistas, depois que, como ministro de Estado, prestigiou a posse de um presidente de clube que não era o seu.

Mais do que o América, Garibaldi atendeu convite de Alex Padang, o novo presidente, de quem é amigo. E atendeu convite do ex, que deixava, seu correligionário e candidato a prefeito de Natal, deputado Hermano Morais.

Tá certo que o ministro foi simpático demais com o time adversário, e elogiou demais o novo presidente. Causou ciúmes. Na torcida e no comando do ABC, do qual ele é conselheiro.

Aliás, Garibaldi é mais do que conselheiro: é considerado o ‘pé-quente’ do alvirubro.

Mas…o clima esquentou e o ministro que nunca tinha sentido o gostinho de ser quase apedrejado nas redes sociais…. agora sentiu.

Mas é bom lembrar que, antes de conselheiro do ABC, Garibaldi é homem público. Senador eleito com mais de um milhão de votos. Ministro bem avaliado do governo Dilma. Ex-governador do Rio Grande do Norte, ex-prefeito de Natal, ex-deputado estadual…

Se isso não dá a ele a liberdade de se expressar, aí eu não sei mais o que se pode dizer nesse mundo de meu Deus.

Em nenhum minuto da festa vermelha, o ministro Garibaldi disse que não era abecedista, mesmo dizendo que o América está em seu coração, dado o laço de amizade com o novo presidente.

Nem mesmo a provocação do primo deputado e americano Henrique Alves, que repassou a ele a camisa do América que havia recebido, o fez desrespeitar seu time, pois mesmo diante dos gritos de “veste, veste, veste”…ele não vestiu a camisa.

Portanto, cabe ao torcedor abecedista medir e pesar a importância do ministro para o ABC e para o Rio Grande do Norte.

Quem tem mais de um milhão de votos tem que ser, no mínimo, plural.

 

4 respostas para “Garibaldi Filho e a liberdade de expressão de quem tem mais de um milhão de votos”

  1. Magno Alexandre disse:

    minha cara blogueira thaisa galvão, vou explicar por qual motivo nos os abecedistas estamos perplexos com as palavras do ministro, primeiro nada contra a instituição américa, e também nada contra a participação do ministro na festa de posse do novo presidente, mas quando ele afirmou que o ABC merecia um presidente como alex padang, ele cometeu uma enorme garfe, vou explicar, em 2007 quando o ABC estava jogando a fase decisiva na série c do campeonato brasileiro, o atual presidente do américa pagou a uma equipe da paraíba para vencer o mais querido, só lembrando que na época o américa estava sendo rebaixado na série a do brasileiro.

  2. JOÃO GOMES disse:

    BOA TARDE THAISA, NÃO SE TRATA DE “LIBERDADE DE EXPRESSÃO”, NESSE CASO ESTAMOS FALANDO DE UMA PAIXÃO CHAMADA FUTEBOL.
    OU SE É ABCEDISTA OU SE É americano.
    É A MESMA COISA QUE POLITICA IMAGINA UM DEPUTADO OU ATÉ MESMO UM SIMPLES MILITANTE DO PT IR A UMA POSSE DO PRESIDENTE DO PSDB E DIZER QUE GOSTARIA QUE O PT TIVESSE UM PRESIDENTE IGUAL AO DO PSDB. COM TODO RESPEITO AO MINISTRO GARILBALDI, PISOU NA BOLA, ALIÁS NÃO ERA NEM PARA TER IDO LÁ, FOI FAZER MEDIA COM A TORCIDA americana E PERDEU PONTOS NA TORCIDA ABCEDISTA, COMO BOM POLITICO QUE É, ATIROU ERRADO

  3. Vilma Lúcia disse:

    Que besteira desse povo. Houve um tempo, em Natal, que todas as torcidas brincavam carnaval na sede do América e ninguém brigava por isso. E todos eram amigos e felizes. Quero ver qual é o diretor ou torcedor do ABC que vai dizer que não brincava carnaval só porque era na sede do América! Parabéns, Garibaldi, por prestigiar todos os times do RN!

  4. Maurício Giovani disse:

    Acho que o Ministro Garibaldi está certíssimo. Ele está em um nível superior e deve tratar com respeito os adversários, mesmo que no Futebol. Por acaso, pelo fato do Vice-Presidente ser um dos proprietários do Pittsburg, não quer dizer que ele vai fechar as portas do seu estabelecimento aos torcedores do ABC que assim como eu, são bem recebidos por lá, com direito até a ter comemoração depois das partidas. Isso se chama fanatismo. Só digo o seguinte ao João Gomes, enquanto existem fanáticos que viajam por aí, debaixo de sol e chuva para acompanhar seu time do coração em todos os lugares do país, existem também mulheres e pés-de-lã fanáticos com a idéia de que “Amanhã é dia de jogo”, pois afinal é marido torcendo e o chifre moendo. É ou não é? Como diz Doquinha o amigo de Coxinha: “É sim!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*