#JornalismoSemFakeNews

30 de janeiro de 2012 às 14:50

Estilo em questão

[1] Comentários | Deixe seu comentário.

Bem que o deputado Henrique Alves poderia ter dito que não gostaria de indicar o sucessor de Elias Fernandes na direção-geral do DNOCS.

Seria um gesto de amigo para com Elias.

Acusado de desviar dinheiro público, de acordo com relatório da Controladoria Geral da União, Elias não mereceu a solidariedade de Henrique, que teimou em anunciar que indicaria o substituto.

Quando se aceita uma exoneração recheada de acusações, e se propõe a indicar o substituto, se aceita as acusações.

Fica meio que assim…tira o desonesto para eu substituir por um honesto.

Elias não merece e não merecia.

Estava fazendo um bom trabalho e sabe, com todas as letras, que o alvo do Planalto não é ele, e sim Henrique.

Dilma não gosta de Henrique e ponto final.

Não quer vê-lo na presidência da Câmara, e ponto final.

E aqui pra nós…

O deputado, conhecido durante quase 40 anos de vida pública por ser um político hábil, conciliador, pacificador…ficou arrogante de uma hora pra outra e deixou de ser tudo o que conseguiu ser em quase 40 anos.

Na hora que declarou – num ato de infelicidade – que a presidente da República não demitiria Elias Fernandes do DNOCS sob pena de brigar com a República…cutucou o cão com a vara curta.

Foi arrogante e infeliz. Desconstruiu quase 40 anos de um modelo de fazer política, com cara e jeito do pai, o ex-ministro Aluízio Alves, o maior líder político que o Rio Grande do Norte já conheceu.

Qual mudança na vida do deputado fez ele passar da água para o vinho…ou para o whiski? Mais forte, mais soberbo, menos doce…

O novo jeito inábil de Henrique só fará mal a uma pessoa: ele próprio.

Uma resposta para “Estilo em questão”

  1. Jose da Mata disse:

    Existe um engano ai. Nestes 40 anos o que houve foi um hiato de 10 anos em que o deputado passou a frequentar Natal (lembre-se do apelido copa do mundo, que colou no deputado por anos). Neste hiato de 10 anos o deputado deixou a soberba que era sua marca registrada, para tornar-se uma pessoa mais humana e mais humilde. Ate em supermercados ele era visto. Desceu do pedestal. Mas parece realmente que foi um tempo que ficou para tras. Realmente era o vinho que se tornou agua

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.