#JornalismoSemFakeNews

5 de dezembro de 2012 às 3:35

Crianças castigadas

[2] Comentários | Deixe seu comentário.

Quando a seca vira tema de todas as conversas, de todos os discursos, eis que o jornalista-amigo Paulo Araújo, chocado com uma foto que registra a obrigação de crianças para garantir água em casa…envia texto que o Blog publica.

Com a foto, claro.

 

POR QUE SOMOS TÃO POBRES?
Paulo Araújo
Observe bem esta fotografia, nos seus mais pequenos detalhes. Ela foi feita há duas semanas na comunidade rural de Negros dos Riachos, no município de Currais Novos, região do Seridó potiguar. O local, como o nome sugere, é formado por remanescentes de um quilombo, da mesma forma que muitos outros espalhados pelo Brasil.

Na imagem, a professora Marcia Carla se prepara – com toda a emoção que o momento provoca – para se despedir definitivamente das seis crianças, depois do convívio de alguns anos na escola local. O sorriso da professora substitui um choro evidente, quase audível, encoberto pelas lentes dos óculos.

Estes seis pequenos brasileirinhos, excluídos do que possa haver de mais básico ao ser humano – como roupas, por exemplo –, estão cumprindo uma rotina diária bem diferente daquela a que teriam direito se a riqueza da 6a maior economia do planeta fosse distribuída de forma justa por meio de políticas públicas que realmente fizessem o Brasil ir para frente.

Depois de parar e posar para a foto, eles vão caminhar alguns quilômetros e transportar na cabeça, em galões de zinco, alguns litros de água para tomar um banho. Quem conhece, sabe como pesa um galão de água deste tamanho na cabeça. A cisterna, reservatório de água que aparece atrás do grupo, está vazia por causa da seca que castiga o Nordeste brasileiro de forma tão inclemente como não se tinha registro nos últimos 85 anos. Comprar água de um carro-pipa para abastecê-lo é impossível.

No alcance da lente do fotógrafo, só o cinza da paisagem, interrompida aqui e ali pelo verde tímido da algaroba. O chão está seco, esturricado. A poeira transportada pelo vento cola na pele, nos cabelos, nas roupas e deixa os personagens com uma maquiagem natural de terra. A única luz da fotografia vem do sol de fim de tarde no sertão, lambendo-lhes o lado esquerdo do rosto.

Nos braços da professora Márcia, o menor do grupo. Quantos anos terá? O que lhe reserva o futuro? Os outros cinco, que formam uma espécie de escadinha demográfica da casa, sorriem para nós, pois neles a inocência e a falta de consciência das coisas, natural para a idade, ainda não lhes despertou para a realidade a que estão submetidos. São felizes, ponto final.

Quase todo o Brasil cabe nesta foto. Ela nos cobre de vergonha da cabeça aos pés e surge diante de nós para refutar, sem direito a argumento contrário, qualquer idéia de país rico, líder de um bloco econômico chamado Bric, e que vai sediar uma Copa do Mundo em 2014 e uma Olimpíada em 2016. Que triste e desigual país é este? Por que ainda somos tão pobres e temos tantos problemas em encarar esse fato? Conviveremos até quando com esta imagem?

Este é o pedaço do Brasil onde nunca chegará a água da Transposição do Rio São Francisco, a jóia da coroa do PAC I, por onde já escorreram mais de 8 bilhões de reais. O que há no projeto criado por Lula – ele próprio a encarnação do brasileiro que fugiu de uma fotografia como esta e tornou-se o presidente mais popular do Brasil – são canais vazios formados por placas rachadas no solo seco entre a Bahia e Pernambuco.

Este é o pedaço do Brasil onde, a cada dois anos, a rodovia muito próxima desta casa onde moram estas seis crianças são rasgadas por LandRovers transportando pessoas que chegam, desembarcam, dão abraços, beijos, posam para fotografias, fazem promessas de melhoras e somem no rastro da poeira – para voltar, de novo, dois anos depois. Fora a isso, eles só são assistidos por pessoas como a professora Márcia. Por isso o choro travestido de sorriso na hora da despedida.

Daqui a cem anos, quando não estivermos mais aqui, é bem provável que esta cena possa ser repetida para outro fotógrafo de forma absolutamente igual em pose, gestos, contexto e geografia. Também por outras professoras Márcias que vão lá, tentam mudar uma realidade tão difícil por meio do conhecimento. E também por outras crianças, e outras cisternas vazias, e outros galões, e outras terras ressequidas, e outras nudezes.

2 respostas para “Crianças castigadas”

  1. Jairo de Sousa Abel disse:

    O que nos chama a atenção é o fato de 10 anos do governo do PT não ser sido possível solucionar questões onde a classe pobre é a mais afetada. Olhamos para a saúde, educação, transporte, segurança e constatamos que pouco ou quase nada mudou. Alguem pode argumentar que a vida da classe menos favorecida melhorou, mas se observamos os lucros dos bancos, o faturamento dos grandes conglomerados econômicos e, ainda, o crecimento do patrimônio dos membros da cúpula do “Partido dos Trabalhadores” verificamos uma desproporcionalidade em relação ao bem estar da massa brasileira.

  2. NILSON DA SILVA FILHO disse:

    Isso é uma vergonha nacional!!!! Essas crianças precisam de escolas e seus pais, de uma profissão adequada que lhes permitam ter dignidade e cidadania!!
    Enquanto isso, nossos FAMIGERADOS POLÍTICOS estão em seus luxuosos gabinetes JÁ PENSANDO NAS PRÓXIMAS ELEIÇÕES, quando na realidade, MERECEM É CADEIA, pois são os verdadeiros CULPADOS desse CRIME CONTRA NOSSOS BRASILEIRINHOS!!! Até quando isso? Até quando? Parabéns ao blog pela coragem da reportagem e ao jornalista pelo conteúdo relatado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  • Perfil