#JornalismoSemFakeNews

4 de janeiro de 2013 às 11:30

Henrique Alves diz à Folha que não vai cumprir decisão do STF caso seja eleito presidente da Câmara

[1] Comentários | Deixe seu comentário.

Da Folha de S. Paulo de hoje:

 

Favorito para chefiar Câmara diz que desobedecerá ao STF

 

Favorito para comandar a Câmara dos Deputados a partir de fevereiro, o líder da bancada do PMDB, Henrique Eduardo Alves (RN), disse ontem que, se eleito, não pretende cumprir a decisão do Supremo Tribunal Federal pela cassação automática do mandato dos condenados no julgamento do mensalão.

No mês passado, o STF determinou que os deputados João Paulo Cunha (PT-SP), Valdemar Costa Neto (PR-SP) e Pedro Henry (PP-MT) percam o mandato imediatamente após o fim do julgamento –o que ocorrerá após a análise dos recursos.

A decisão também afeta agora José Genoino (PT-SP), que era suplente e tomou posse ontem na Câmara.

 

Em entrevista à Folha, Henrique Alves, candidato favorito à presidência da Câmara, afirma que o Congresso não abrirá mão da prerrogativa de dar a palavra final. Isso inclui votação secreta no plenário da Casa, onde uma cassação só ocorre com o apoio de pelo menos 257 dos 513 deputados.

Segundo Henrique Alves, a “Constituição é clara” e, portanto, cada Poder deve ficar “no seu pedaço”.

“Não [abro mão de decidir]. Nem o Judiciário vai querer que isso aconteça. Na hora em que um Poder se fragiliza ou se diminui, não é bom para a democracia.”

O deputado afirmou ainda que “algum mais desavisado pode ter esquecido”, mas a Constituição de 1988 foi elaborada pelos congressistas.

“Cada palavra, vírgula e ponto ali foram colocados por nós. Então, temos absoluta consciência de nossos direitos, deveres, limites e prerrogativas. A questão da declaração da perda do mandato é inequívoca que é do Parlamento”, afirma o peemedebista, em plena campanha pela presidência da Casa.

Para ele, o placar apertado da sessão do STF pela cassação –5 votos contra 4– só reforça seu argumento.

“O Supremo, que trouxe essa polêmica, metade dele concordou que fosse do Legislativo a última palavra. Cabe, realmente, ao poder Legislativo a declaração da perda do mandato”, afirmou, acrescentando que todo o rito de um processo de cassação tem de ser aplicado.

A decisão sobre a prerrogativa de cassar mandatos legislativos é motivo de tensão entre Congresso e STF desde o mês passado. Marco Maia (PT), atual presidente da Câmara, também disse que não cumpriria a decisão.

Ministros do STF reagiram à declaração do petista. “O equivocado espírito de solidariedade não pode justificar afirmações politicamente irresponsáveis, juridicamente inaceitáveis, de que não se cumprirá uma decisão do Supremo Tribunal Federal revestida da autoridade da coisa julgada”, disse Celso de Mello durante sessão do STF.

Para ele, eventual descumprimento pode configurar o crime de prevaricação.

Em resposta, o presidente da Câmara atribuiu a declaração do ministro ao seu estado de saúde. Na ocasião, Celso de Mello se recuperava de uma forte gripe

A tensão manteve-se até quatro dias antes do Natal, quando não estava descartada a hipótese de o presidente do Tribunal, ministro Joaquim Barbosa, acolher pedido de prisão imediata dos condenados. Marco Maia cogitou até a hipótese de oferecer abrigo aos deputados.

Afirmando que essa “não é para ser uma guerra de Poderes”, Henrique Eduardo Alves diz que, passado o “momento de emoção”, confia no senso de responsabilidade do Legislativo e do Judiciário.

“Queremos um Judiciário forte, também, respeitado. Não precisa ser popular. Mas forte, respeitado por todos nós. Então, cada um no seu pedaço. Na hora em que o STF chegar às suas decisões, vamos cumprir as nossas obrigações, formalidades legais que devem ser apreciadas.”

 

 

Uma resposta para “Henrique Alves diz à Folha que não vai cumprir decisão do STF caso seja eleito presidente da Câmara”

  1. Maurício Giovani disse:

    Isso é só o começo de uma fase de desobediência civil que culminará com a tomada do Poder pelas forças armadas para que assim, faça valer o que está escrito na Constituição. Se certas pessoas acham que estão acima da lei, é bom que elas vejam e entendam que a lei é para todos e lugar de mensaleiro ladrão é na cadeia. Acho que não convém ao deputado Henrique desafiar um Poder Constituído, no caso o Poder Judiciário, em troca da defesa de uma cambada de mensaleiros que há muito tempo deveriam estar na cadeia para o bem do Brasil. Se o deputado Henrique pensa em começa assim, já demonstra que não está comprometido com a imagem da casa, mas sim, de servir aos seus patrões, ou seja, o governo do PT e sua quadrilha que há 11 anos debocha de cara do povo brasileiro e que nem de longe, pensa na possibilidade de largar o Poder.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  • Perfil