#JornalismoSemFakeNews

14 de abril de 2015 às 17:08

Volta de Raniere à Câmara provoca entra e sai na suplência

[3] Comentários | Deixe seu comentário.

Como o Blog adiantou com exclusividade no sábado, tão logo foi definido em reunião com o prefeito Carlos Eduardo, o Diário Oficial do Município publicou hoje a exoneração de Raniere Barbosa como secretário de Serviços Urbanos.

Raniere, que se elegeu vereador em 2012, volta à Câmara, como informado  aqui, para ser o líder do prefeito Carlos Eduardo na Casa.

Para o seu lugar, como o Blog adiantou, foi nomeado o até agora diretor de Iluminação, Antônio Fernandes de Carvalho Júnior.

Um porém na Câmara…

Com a volta de Raniere, reviravolta.

Como quem sai, pelo regimento, é o suplente Cabo Jeoás, do PCdoB do vereador-secretário de Estado George Câmara, o partido fica sem representação na Casa.

Para contornar, a primeira suplente do PCdoB, secretária de Educação, Justina Iva, se afasta do cargo e se apresenta na Câmara.

Logo em seguida novamente pede afastamento para reassumir a Educação.

Para o lugar dela sobe o segundo suplente Júnior Grafith, que ao assumir também pedirá para sair.

Grafith vai assumir um cargo na Prefeitura de Natal para, no lugar dele, tudo combinado com o prefeito, voltar para o cargo o suplente que se afasta hoje, o Cabo Jeoás.

Sabe aquela brincadeira do “cadê o grilo, tá lá atrás”, e quando você vê o grilo está lá na frente?

Mais ou menos por aí…

3 respostas para “Volta de Raniere à Câmara provoca entra e sai na suplência”

  1. Mauricio Pandolphi disse:

    Nesse processo se vê apenas a tradicional troca de favores políticos que visam preservar cargos, salários e poder. Alguém conhece os projetos dessa turma visando o bem de Natal?

  2. Eric disse:

    Aí pergunta-se, nobre Thaisa, o que tem de errado em tais manobras?

    Nada.

    Mas, com certeza é amoral.

    Tudo para acomodar os seus, acomodar quem dá governabilidade ao gestor municipal.

    Que cria um céu de brigadeiro para sua gestão.

    Claro, por óbvio, que qualquer um faria dentro da lei o possível e o inimaginável.

    Contudo nos dias atuais, nós, reles eleitores e não somos  mesma coisa.

    Se vota achando que seráo certo, leva a chibatada. Se vota no adversário (sic) fica com sentimento de perda.

    Se vamos às ruas, nada.

    O melhor é pedir p parar e descer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.