#JornalismoSemFakeNews

10 de junho de 2015 às 7:30

Entrevistada pela Folha, Cláudia Matarazzo reafirma que não receberia dinheiro público para falar a primeiras-damas

[0] Comentários | Deixe seu comentário.

Depois de publicar reportagem com direito a chamada de capa, sobre o cancelamento de um evento que reuniria primeiras-damas do RN, e que entre as palestrantes uma seria a jornalista e cerimonialista Cláudia Matarazzo, a Folha de S. Paulo decidiu ouvir a jornalista.

Que reafirmou o que o Governo do Estado já havia dito, que não receberia cachê pela palestra.

Cláudia estava em Natal, contratada para um evento na Federação das Indústrias.

Eis a reportagem de hoje na FSP:

Título de palestra no RN foi escolha infeliz, diz Claudia Matarazzo

PATRÍCIA BRITTO

DO RECIFE

A jornalista e consultora de etiqueta Claudia Matarazzo, 56, disse que considerou “uma escolha infeliz” o título dado à palestra que ela ministraria às primeiras-damas e prefeitas do Rio Grande do Norte nesta terça-feira (9).
Claudia foi convidada pelo governo potiguar para dar a palestra intitulada “Etiqueta e elegância: a arte de receber das primeiras-damas do RN”, mas o evento foi cancelado após repercussão negativa nas redes sociais.
A consultora disse à Folha que sua apresentação seria, na verdade, sobre planejamento de eventos e trataria sobre tópicos como quantos discursos deve ter uma cerimônia e qual é local correto para posicionar a bandeira nacional.
“Como as pessoas me relacionam à elegância e à etiqueta, no convite vinha ‘etiqueta’ e ‘elegância’. E, claro, as pessoas não podiam adivinhar que era sobre planejamento de eventos”, disse.
Claudia afirmou que considerou “uma pena” o cancelamento da palestra, porque seria uma oportunidade para as primeiras-damas e prefeitas potiguares levarem conhecimento para o interior do Estado.
“Elas recebem gente, fazem eventos, fazem cerimônias com entidades, então elas têm que entender como é que funciona um evento”, afirmou a consultora.
As críticas que levaram ao cancelamento da palestra citaram a atual crise financeira do Estado, que enfrenta dificuldades para pagar servidores e decretou estado de calamidade em 92% dos municípios por causa do quarto ano consecutivo de seca.
Claudia confirmou a informação dada pelo governo, de que não cobraria pela palestra porque já estaria na cidade para outro compromisso e por saber que o governo não teria condições de pagar.
Ela disse ainda que entende as críticas, mas que isso não tira a importância da organização de cerimônias, pois “uma coisa não anula a outra”.
“As pessoas que criticaram falaram que a gente precisa de saúde e educação. Claro que precisa, mas mesmo assim você tem eventos, precisa planejar e precisa saber fazer”, disse ela. “E o evento é a imagem do governo. Quanto melhor você souber fazer isso, com mais eficiência para literalmente sair bem na foto, melhor.”
“Sou a primeira a achar que tem priorizar uma série de coisas, que nós temos milhares de problemas. Agora uma coisa não anula a outra, você não está tirando dinheiro nem tirando estrutura do governo”, afirmou.
‘RECEPTIVAS’
Segundo Claudia, a palestra seria voltada para prefeitas e primeiras-damas porque as mulheres são mais “receptivas” do que os homens e têm “humildade” de saber quando podem melhorar.
“Homem não é bem assim. Somos, sim, uma sociedade patriarcal e eles são mais rebeldes”, disse. “Se você falasse: vamos juntar todos os prefeitos para ouvir sobre cerimonial e protocolo, eles te dão risada na cara, eles vão falar que têm mais o que fazer.”

*

Do Blog – Ontem Cláudia Matarazzo deu entrevista a esta blogueira e aos colegas de mesa do Jornal da Noite, da 95FM, Juliana Celli e Eugênio Bezerra.

Abaixo os vídeos com a entrevista da jornalista, na íntegra.

VÍDEO 1

VÍDEO 2

  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.