#JornalismoSemFakeNews

17 de março de 2016 às 8:32

Reunidos em teatro, intelectuais de esquerda defendem PT e classificam mídia como ‘golpista’ e ‘sem vergonha’

[1] Comentários | Deixe seu comentário.

Da Folha:
Ato de intelectuais de esquerda em defesa do PT lota teatro da PUC-SP
  
Movimentos e representantes da esquerda realizaram na noite desta quarta (16) no teatro Tuca, em São Paulo, ato de desagravo ao ex-presidente Lula, ao PT e à presidente Dilma Rousseff. Um dos principais alvos dos discursos foi a mídia, qualificada como “golpista” e “sem vergonha”.
A atual recessão econômica, segundo vários expositores, seria resultado mais da situação internacional do que dos erros do governo, e Lula e o PT estariam sendo atacados por terem realizado um “amplo processo de inclusão social” no país.
Com capacidade de 300 lugares, o Tuca ficou completamente lotado, assim como a área em frente ao teatro, onde centenas de pessoas acompanharam os discursos por um telão.
O “Ato pela Legalidade Democrática” foi patrocinado pelo Centro Acadêmico 22 de Agosto, da PUC-SP, em parceria com o Fórum 21.

  

Um dos convidados a falar, o escritor Fernando Morais defendeu a nomeação de Lula na Casa Civil e afirmou que o ex-presidente sofre uma “perseguição”. “Não adianta, o Lula pode se pintar de ouro que a mídia sem vergonha vai persegui-lo pelo resto da vida.”
O jurista Celso Bandeira de Mello foi na mesma linha e disse que “o maior inimigo do povo brasileiro hoje é a imprensa golpista”.
“Tudo o que sabemos vem dos meios de comunicação, e eles estão preparando um golpe com muita eficiência.” Mello disse que a Folha não merece “ser lida”, que faz papel de “boazinha” mas “nos intoxica diariamente”.
O jurista fez duras críticas às delações premiadas na Lava Jato e afirmou que, no Brasil, “dedo duro é traidor”. “No Brasil a gente aprende (isso) desde pequeno.”
A filósofa Marilena Chaui disse que “existe hoje um caldo de cultura nas ruas perigoso, onde se forjam ditaduras e tiranias”. Ela comparou as manifestações contra o PT no domingo passado a “uma massa conservadora e reacionária, sem nenhum plano, nada”.
Entre os convidados, um dos únicos a falar das suspeitas de corrupção que envolvem Lula e o PT foi o líder do MTST, Guilherme Boulos, colunista da Folha. “Ninguém pode ser contra investigações para combater a corrupção”, disse. Mas ele condenou o que chamou de “escalada perigosa de judicialização da política brasileira”.

Uma resposta para “Reunidos em teatro, intelectuais de esquerda defendem PT e classificam mídia como ‘golpista’ e ‘sem vergonha’”

  1. Pedro disse:

    Acho que rotular a defesa da democracia como “de esquerda” um reducionismo. O centro também tá defendendo amplamente. Mais verdadeiro é dizer que as marchas dos coxinhas são de direita. Aí não há sombra de dúvida. É daí pra fascista de olhar turvo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.