Thaisa Galvão

7 de julho de 2016 às 22:58

Vereadora Amanda Gurgel vai disputar reeleição de aviso prévio com o PSTU e sem recursos do fundo partidário [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A vereadora Amanda Gurgel está se garantindo…

A 3 meses do pleito no qual tentará reeleição, partiu para carreira solo sem apoio de partido.

Amanda faz parte de um grupo do PSTU em todo o país que resolveu deixar a legenda.

Como o prazo para filiação em outra legenda já passou, permanece filiada, porém, sem direitos oferecidos pelo partido, e vai para a campanha sem um centavo do fundo partidário.

Aposta apenas nela própria para tentar se reeleger.
“Somos algumas centenas de companheiras e companheiros que no passado fizeram uma aposta militante no PSTU. Temos orgulho de ter dedicado o melhor de nossas forças para essa organização, mas hoje vimos a público comunicar que esta experiência chegou ao fim e que decidimos trilhar um novo caminho”, diz a carta de rompimento com o partido.
“Depois que a maioria da burguesia se unificou em torno à proposta de impeachment, a partir de fevereiro de 2016, defendemos internamente que era vital lutar contra esta manobra parlamentar, sem que isso significasse, evidentemente, prestar qualquer apoio político a Dilma”, justificam os dissidentes na carta.
“Para preservar o maior patrimônio de qualquer organização, seus militantes, optamos por encerrar a luta e deixar o PSTU”, reforça a carta.

A direção do PSTU se manifestou, também a partir da divulgação de uma carta.
“Um setor de companheiros deixou as fileiras do PSTU para formar outra organização (leia a carta aqui). Essa ruptura se deu depois de meses de um debate interno, amplamente democrático, em que apareceram diferenças políticas, de programa e teoria”.
E mais…
“Na opinião dos companheiros, o PSTU deveria adotar como palavra de ordem principal ‘Não ao impeachment’ e, nesse contexto, afirmar nossa oposição a Dilma e Temer. Defendiam que nosso partido participasse de atos da Frente Povo Sem Medo para chamá-los à formação de um terceiro campo que tivesse como eixo o ‘Não ao impeachment’.
A maioria do partido rechaçou esta posição por considerar que o ‘Não ao impeachment’ e a participação em atos da Frente Povo Sem Medo significava, na prática, a mesma postura política da campanha contra o suposto golpe, deflagrada pelo PT para tentar manter Dilma no governo. A Frente Povo Sem Medo, encabeçada pelo MTST e o PSOL, foi simplesmente a ala esquerda da campanha pelo Fica Dilma”, rebateu o PSTU.
“O PSTU lamenta que tenham decidido romper, pois sua saída enfraquece, sem dúvida, a luta por um partido revolucionário em nosso país. Esse retrocesso é um fato”, continua..

7 de julho de 2016 às 21:03

Rinaldo Reis toma posse como presidente do Conselho Nacional de Procuradores Gerais dos MPs dos Estados e da União [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Concorrida a posse do procurador geral de Justiça, Rinaldo Reis, como presidente do Conselho Nacional de Procuradores-Gerais dos Ministérios Públicos dos Estados e da União (CNPG).

Reis foi eleito em maio como primeiro procurador-geral do RN a assumir o mandato.

Presentes à sede da Procuradoria Geral, na solenidade que acontece agora, o governador Robinson Faria, o presidente da Assembleia Legislativa, Ezequiel Ferreira de Souza, o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Cláudio Santos, a conselheira do Tribunal de Contas, Adélia Sales, presidente da OAB, Paulo Coutinho….

Mais o deputado federal, Beto Rosado (PP), e os estaduais Ricardo Motta (PROS) e Jacó Jácome (PSD), e o vereador Joanilson Rêgo (PSDC).

Também a presidente da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp), Norma Angélica Reis Cardoso Cavalcanti, o conselheiro do CNMP, Orlando Rochadel, o controlador do Município, José Dionísio…
Rinaldo Reis sucede o Procurador-Geral de Justiça de Goiás, Lauro Machado Nogueira, que veio transmitir o cargo, no anuênio 2016-2017. 

7 de julho de 2016 às 20:42

Maranhão marca eleição na Câmara para 5ª e líderes antecipam para 3ª [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Do G1
Líderes derrubam decisão de Maranhão e marcam eleição para terça
Presidente em exercício da Câmara havia marcado pleito para quinta (14). Aliados de Temer pressionaram para antecipar escolha do sucessor de Cunha
Por Fernanda Calgaro e Gustavo Garcia

Após reunião nesta quinta-feira (7), os líderes partidários da Câmara decidiram desautorizar o presidente em exercício da Casa, Waldir Maranhão (PP-MA), e antecipar a eleição para escolher o sucessor de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na presidência da Cãmara para a próxima terça-feira (12).

Em decisão lida no plenário da Câmara, mais cedo nesta quinta, Waldir Maranhão marcou para quinta-feira (14) a escolha do novo presidente da Casa. Enquanto os líderes estavam reunidos, Maranhão estava em casa, segundo informou sua assessoria de imprensa.

Nesta quinta, Cunha foi à Câmara dos Deputados entregar sua carta de renúncia à Secretaria-Geral da Mesa. Com a decisão, a Casa tem o prazo de cinco sessões de plenário para realizar uma nova eleição.

O regimento interno da Câmara permite que o colégio de líderes da Câmara convoque sessões extraordinárias para, inclusive, realizar eleições para a presidência da Câmara. Para a votação ter início é necessária a presença de, pelo menos, 257 deputados.

Maranhão decidiu utilizar o prazo máximo e marcar a eleição para quinta-feira, dia em que está marcado o início do recesso “branco”, quando sessões deliberativas não serão mais convocadas e a presença em plenário não é obrigatória.

No entanto, aliados do presidente em exercício, Michel Temer, queriam maior celeridade na escolha do substituto de Cunha e pressionaram para que a sessão de eleição fosse antecipada para terça.

O líder do PSD, Rogério Rosso (PSD-DF), queria que o pleito fosse realizado já na segunda-feira (11). Já o primeiro-secretário da Câmara, Beto Mansur (PRB-SP), defendia que a eleição acontecesse na quarta (13).

Com a antecipação da eleição, os candidatos para a presidência da Câmara terão até as 12h de terça para formalizarem as candidaturas. Até o momento há, ao menos, oito potenciais candidatos, sendo sete de partidos aliados, o que pode gerar um racha na base do governo.

CCJ

Com a antecipação da eleição, o pleito vai acontecer no mesmo dia em que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) tem reunião marcada para votar o parecer de um recurso de Cunha. O parecer do deputado Ronaldo Fonseca (PROS-DF) recomenda que seja realizada uma nova votação processo que pede a cassação de Cunha no Conselho de Ética.

A sessão estava marcada para segunda-feira, mas foi adiada para terça pelo presidente do colegiado, Osmar Serraglio (PR-RS). Com a eleição para a presidência da Câmara marcada para o mesmo dia, a votação do parecer na CCJ poderá ser inviabilizada, uma vez que quando há votações no plenário principal da Casa todas as outras comissões não podem fazer deliberações.

Manobra

A decisão do colégio de líderes irritou adversários de Eduardo Cunha que saíram da reunião dizendo que o agendamento da eleição para terça-feira foi “antirregimental”. Segundo Alessandro Molon (Rede-RJ), líder da Rede,a reunião poderia ter acontecido porque o requerimento de convocação foi assinado por líderes de partidos que não têm o número de deputados suficientes para convocar reunião do colégio de líderes.

“O colégio de líderes foi convocado sem a maioria absoluta [257 parlamentares] dos membros da Casa representados por seus líderes. Tem menos do que 257”, afirmou Molon.

O parlamentar disse também que a decisão do colégio de líderes é uma “manobra” para salvar o mandato de Cunha.

“Primeiro Cunha renuncia no dia de hoje. Em seguida, convoca-se o colégio de líderes para marcar a eleição de novo presidente da Câmara. O deputado Serraglio cancela a CCJ. E agora marcam a eleição antes da votação do parecer da CCJ. É evidente que se trata de uma manobra para salvar o mandato de Cunha e nós não vamos participar disso”, afirmou Molon.

O deputado Júlio Delgado (PSB-MG) disse que aliados de Cunha trabalharam para antecipar a eleição do novo presidente da Câmara para eleger um aliado de Cunha que possa interceder em favor do peemedebista.

“Eles querem antecipar a eleição para proteger o Eduardo Cunha, isso tem que ficar claro pra sociedade. Querem protege-lo não só na CCJ, mas também no plenário da Câmara”.

7 de julho de 2016 às 16:00

Waldir Maranhão já pode dar início ao pleito para eleger novo presidente na Câmara [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Com a renúncia de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) ao comando da Câmara dos Deputados, o presidente em exercício da Casa, Waldir Maranhão (PP-MA), terá prazo de até cinco sessões para realizar uma eleição para preencher o cargo até fevereiro de 2017, quando acabaria o mandato do peemedebista na presidência.

Cunha foi à Câmara porque, pelo regimento interno da Casa, a carta de renúncia precisa ser lida em plenário e depois publicada no “Diário Oficial da Câmara” para que entre em vigor.

A partir da publicação da renúncia, começará a contar o prazo para a realização de eleição para um mandato tampão até fevereiro. Neste prazo, serão levadas em conta tanto as sessões de votação quanto as de debate, desde que haja quórum de 51 deputados.

Mas Waldir Maranhão não precisa, porém, aguardar o fim desse prazo para realizar a eleição. Ele poderá chamar o pleito a qualquer momento a partir da oficialização da renúncia.

*Com informações do G1

7 de julho de 2016 às 15:50

O choro do poderoso Eduardo Cunha [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O homem mais poderoso do país declina de sua fortaleza…e chora.

Acompanhe o choro de Eduardo Cunha ao renunciar ao cargo de presidente da Câmara, do qual estava afastado.

7 de julho de 2016 às 15:44

Deputado Osmar Serraglio é o nome de agora do PMDB para presidir a Câmara [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Em Brasília é só o que se fala…

Que o deputado Osmar Serraglio, do PMDB paranaense, tem grandes chances de ser eleito presidente da Câmara.

Serraglio é o presidente da Comissão de Constituição e Justiça.

Se entre noites e dias não houver mudanças…o paranaense será eleito sucessor oficial de Eduardo Cunha.

7 de julho de 2016 às 15:37

Leia íntegra da carta de renúncia de Eduardo Cunha [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O deputado afastado Eduardo Cunha vinha dizendo e repetindo que não renunciaria.

Renunciou.

Veja a íntegra da carta de Eduardo Cunha:

7 de julho de 2016 às 15:27

Robinson conversa com Agripino e Garibaldi antes da reunião com Henrique Meirelles [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Antes da reunião dos governadores do Nordeste com o ministro da Fazenda Henrique Meirelles, o governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria, se encontrou com os senadores José Agripino e Garibaldi Filho.
Na pauta da reunião, compensação aos estados que não foram beneficiados com a moratória das dívidas. 

O RN tem dívida muito pequena.

“Se os interesses do Rio Grande do Norte estiverem em jogo, estamos em campo para vestir a camisa e ir para luta”, declarou Agripino.

7 de julho de 2016 às 13:51

As perdas de Eduardo Cunha [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Sem o mandato de presidente da Câmara, p deputado afastado Eduardo Cunha perde vantagens.
Terá que deixar a residência oficial em Brasília e perderá o direito ao avião da FAB.
Perde a gratificação recebida como presidente.
Perde gabinete, perde assessores, perde segurança.
Vira apenas um deputado.
Afastado.
Investigado.
Denunciado.

7 de julho de 2016 às 13:48

Depois de ser vaiado, Eduardo Cunha renuncia e chora [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O deputado afastado Eduardo Cunha chegou à Câmara para renunciar sob vaias.

O deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) acaba de ler uma carta-pronunciamento renunciando ao cargo do qual estava afastado.
No discurso, disse que a Câmara está acéfala.
Cunha falou que só a sua renúncia poderá colocar fim à “instabilidade sem prazo”. E que, durante seu mandato, soube conduzir condizentemente a Casa, tocando as pautas necessárias.
Ele listou alguns temas votados no seu mandato e citou, principalmente o processo de impeachment de Dilma.
Cunha disse sofrer perseguições, principalmente por conta do impeachment de Dilma e que suas posições levaram-no a sofrer uma representação por quebra de decoro parlamentar. Ele declarou que foi espontaneamente na CPI da Petrobras. E repetiu que é inocente.
Repetiu que nunca recebeu vantagens indecisas.
E chorou.
Cunha chorou.
Disse que era vítima de perseguição covarde, contra si e sua mulher e filha e que tem certeza de sua inocência.
Ele afirmou que fez o país melhor, ajudando o país a “se livrar do governo do PT”, tirando o país do “caos” causado pela desastrosa e criminosa gestão de Dilma.
Desejou boa sorte ao futuro presidente da Casa e disse esperar que seu gesto leve a Câmara de volta aos trilhos em que estava em sua presidência.
E foi embora sem falar com a imprensa.

7 de julho de 2016 às 12:46

Grupo que operava com falsificação de cigarros tinha negócios no Rio Grande do Norte [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O G1
Operação prende 11 e apreende 2,9 mil caixas de cigarros em AL e 4 estados
Dinheiro, carros e moto aquática também foram apreendidos na ação. Além de Alagoas, polícia cumpriu mandados na BA, PB, PE e RN

A operação de combate à comercialização de cigarros falsos, realizada na madrugada desta quinta-feira (7) em cinco estados do Nordeste, resultou em 11 prisões e apreensão de 2920 caixas de cigarros falsificados, dinheiro, armas e veículos, segundo balanço apresentado no final da manhã.

A ação, que recebeu o nome de Kapnós, foi realizada pelo Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas (Gecoc) do Ministério Público (MP), Polícia Rodoviária Federal (PRF) e polícias Civil e Militar, que cumpriram mandados em Alagoas, Bahia, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte.

Segundo a PRF, os cigarros apreendidos dariam para encher seis carretas. Além do material falso, foram apreendidos R$ 33 mil em espécie, R$ 165 mil em cheques, oito veículos, quatro armas, e uma moto aquática. 

Das 11 prisões, oito foram em Alagoas.

O coordenador do Gecoc, promotor Antônio Luiz dos Santos, informou que esses grupos criminosos podem ter ligação com uma quadrilha desarticulada recentemente em São Paulo pelo mesmo crime.

“As quadrilhas agiam na distribuição e comércio de cigarros falsos”, informou o promotor ao destacar que eles vendiam marcas de cigarros do Paraguai, mas fabricadas no Brasil. Eight, Gift, Bello e Meridian eram algumas das marcas falsificadas.

De acordo com o secretário de Segurança Pública de Alagoas, coronel Lima Júnior, as investigações começaram há quatro meses, e também resultaram no bloqueio de contas dos integrantes da quadrilha.

“A operação não se preocupou só em apreender a mercadoria, mas desestabilizar a organização com o bloqueio e apreensão de bens”, falou o secretário.

Carlos André Costa, da PRF, foi designado pelo ministro da Justiça por solicitação da PRF local para esta ação. “Conseguimos resultados expressivos que vão permitir que essas organizações não fiquem usurpando dinheiro público”.

A Operação teve participação de 98 policiais rodoviários, 32 policiais militares e 12 policiais civis, além do helicóptero da SSP. Foram 14 mandados de prisão e outros 29 de busca e apreensão.

Investigações

Segundo as investigações, o centro de distribuição dos produtos de um dos grupos criminosos funcionava em Caruaru (PE). Uma pessoa foi presa em Cupira.

Os revendedores compravam os produtos de fábricas clandestinas, localizadas, em sua maioria, na região Sul do país, e distribuíam para diversos centros de comércio no Nordeste.

Ainda de acordo com as investigações, eles possuíam uma estrutura organizada, com integrantes da organização criminosa exercendo papéis distintos, tendo fornecedores regionais, estaduais, e locais, fora os vendedores que vendiam para o consumidor final.

A palavra Kapnós, usada para nomear a operação, tem origem grega que significa tabaco e, por sua vez, remete a fumaça.

Uma das quadrilhas tinha seu distribuidor regional sediado em Lauro de Freitas, na Bahia. Ele revendia para os estados de Alagoas, Pernambuco, Piauí, Ceará e Paraíba. 

Já a segunda, tinha seu centro de distribuição em Caruaru, em Pernambuco, atuando nos estados vizinhos, Alagoas e Paraíba, e também tinha negócios no Rio Grande do Norte.

Os produtos eram vendidos com notas fiscais falsas, que indicavam mercadorias diferentes daquelas que estavam sendo transportadas. Em Alagoas, o principal distribuidor estadual reside em Arapiraca, de onde revendia o produto do crime para as cidades do interior do estado e para compradores da capital.

O transporte do produto para os distribuidores locais era feito em veículos de pequeno porte, carregados com aproximadamente 100 caixas de cigarros, sempre acompanhados de um outro veículo.

Os chefes das organizações viviam como empresários de sucesso, administrando empresas de fachada, a exemplo de postos de combustíveis, restaurantes e distribuidoras de bebida, tudo no nome de terceiros.

O faturamento por ano de uma das quadrilhas chegava a mais de um milhão de reais, valor sobre o qual não incidiu arrecadação de impostos, nem fiscalização.

7 de julho de 2016 às 8:27

Carta enviada por Robinson Faria a Michel Temer provoca reunião de governadores com Henrique Meirelles [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Deu resultado a carta que o governador Robinson Faria enviou, como representando dos governadores do Norte e do Nordeste, ao presidente da República, Michel Temer, e ao Ministro da Fazenda Henrique Meirelles, pleiteando o ressarcimento das perdas do Fundo de Participação dos Estados (FPE). 

Hoje os governadores se reúnem com Meirelles para tratar do assunto.

Veja notícia de Ilimar Franco, n’O Globo:

7 de julho de 2016 às 7:35

Lava jato: Mais uma operação cumpre mandados em São Paulo, Santos e São Bernardo do Campo [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Mais lava jato….

Do G1 Paraná:
Polícia Federal cumpre mandados da 32ª fase da Operação Lava Jato
Operação Lava Jato investiga esquema bilionário de lavagem de dinheiro. Ação foi deflagrada em São Paulo, Santos e São Bernardo do Campo
Por Adriana Justi e Camila Bonfim
Policiais federais estão nas ruas desde a manhã desta quinta-feira (7) para cumprir mandados judiciais referentes à 32ª fase da Operação Lava Jato em São Paulo, Santos e São Bernardo do Campo. Foram expedidos 17 ordens judiciais, sendo sete conduções coercitivas, que é quando a pessoa é levada para prestar depoimento, e 10 mandados de busca e apreensão.

A ação foi batizada de “Caça-fantasmas”, é um desdobramento da 22ª fase, batizada de triplo X, e investiga crimes contra o sistema financeiro nacional, lavagem de ativos e organização criminosa transnacional.

Conforme a PF, a atual fase identificou que uma instituição financeira panamenha atuaria no Brasil, sem autorização do Banco Central com o objetivo de abrir e movimentar contas em território nacional e, assim, viabilizar o fluxo de valores de origem duvidosa para o exterior, à margem do sistema financeiro nacional.

Um dos mandados de condução é contra Edson Paulo Fanton, que é representante do banco panamenho que atuava no Brasil. Ele está sendo ouvido em Santos.

Há elementos, ainda segundo a PF, de que o banco, ao funcionar como uma verdadeira agência de private banking no Brasil, tinha como produto, também, a comercialização de empresas offshore, que eram registradas pela Mossak Fonseca, empresa que já foi alvo da 22ª etapa.

Os serviços disponibilizados pela instituição financeira investigada e pelo escritório Mossak Fonseca foram utilizados por pessoas e empresas ligadas a investigados na operação Lava Jato. Segundo a PF, com isso foi possível concluir que recursos retirados irregularmente da Petrobras possam ter transitado pela instituição financeira investigada.

O nome Caça-fantasmas “remete, dentre outros aspectos, a um dos objetivos principais da investigação que foca na apuração de verdadeira extensão obscura da instituição bancária no Brasil, bem como a vasta clientela que utiliza de seus serviços e do escritório Mossak Fonseca para operações financeiras com características de ilicitude e de forma oculta”, destacou a PF.

31ª fase



A 31ª fase da operação foi cumprida na segunda-feira (4) e mirou as investigações para o Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes).

Segundo o Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal (PF), o Consórcio Novo Cenpes pagou R$ 39 milhões em propina para conseguir um contrato na Petrobras entre 2007 e 2012. Entre os beneficiários do dinheiro estaria uma escola de samba.

O consórcio era composto pela OAS, Carioca Engenharia, Construbase Engenharia, Shahin Engenharia e Construcap CCPS Engenharia.

A operação foi batizada de Abismo e prendeu o ex-tesoureiro do PT Paulo Adalberto Alves Ferreira, que já estava detido desde 24 de junho, quando foi alvo da Operação Custo Brasil, que investiga fraudes no crédito consignado de servidores públicos.

Também foram presos os empresários Erasto Messias da Silva Júnior, Genesio Schiavinato Júnior, o ex-executivo da Schahin Engenharia Edson Freire Coutinho e o presidente da Construcap, Roberto Ribeiro Capobianco. Todos foram presos temporariamente.

7 de julho de 2016 às 7:14

Seleção brasileira terá jogo oficial em Natal [1] Comentários | Deixe seu comentário.

O governador Robinson Faria, depois de encontro com o técnico da Seleção Brasileira, Tite, informa que Natal sediará jogo importante no mês de outubro.

7 de julho de 2016 às 7:11

Diretoria da Petrobras garante a Robinson investimentos para manter refinaria e aumento no fornecimento de gás natural [0] Comentários | Deixe seu comentário.

E em meio a tanta informação desastrosa envolvendo a Petrobras, o governador Robinson Faria se reúne com a diretoria da empresa e consegue arrancar uma boa notícia para o Rio Grande do Norte.