#JornalismoSemFakeNews

27 de agosto de 2016 às 9:30

O troco de Garibaldi à arrogância de Dilma

[1] Comentários | Deixe seu comentário.

Na Folha de hoje, o desabafo do senador Garibaldi Filho, que foi ministro da Previdência no governo Dilma, e assim como o Blog publicou reiteradas vezes, nunca foi recebido pela presidente.

Que além de não dar o menor cabimento a Garibaldi, não deu o menor cabimento à Previdência.

Como é que um presidente não despacha com o seu interlocutor número 1 junto a um ponto de sua administração?

Dilma agora tem um troco muito mais pesado do que sua arrogância da época seria capaz de imaginar.

BRASÍLIA – O senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN) foi ministro da Previdência do primeiro governo de Dilma Rousseff. Indicado pelo PMDB, comandou a pasta de janeiro de 2011 a janeiro de 2015.
Na tarde desta sexta-feira (26), Garibaldi assistia, solitário em uma cadeira do plenário do Senado, à segunda sessão de julgamento do impeachment de sua ex-chefe.
Ele votará pela cassação de Dilma. Questionado pela coluna sobre quantas vezes foi recebido por ela para um despacho no Planalto, o ex-ministro responde: “Nenhuma”.
Segundo o senador, assuntos de sua pasta eram discutidos somente com Gleisi Hoffmann (PT-PR), então ministra da Casa Civil do governo Dilma e hoje senadora da tropa de choque anti-impeachment.
“Apesar do respeito que tenho pela Gleisi, você se sente mais prestigiado ao despachar com a presidente”, diz Garibaldi. “Eu tenho uma frustração, não tenho raiva dela (Dilma). Quando encerrou meu período no governo, pensei que iria me chamar pessoalmente, mas ela me telefonou”, relembra o ex-ministro.
Ele diz que vota pelo impeachment porque concorda com as acusações contra a petista, mas admite: “Há também o componente da frustração, o conjunto da obra”.
Garibaldi aproveita a conversa para contar o que sempre quis falar a Dilma numa reunião de trabalho: “Gostaria de ter sugerido a ela uma ampla reforma da Previdência. Isso só poderia ser feito num despacho com a presidente, diretamente”.
Ele é um dos seis senadores pró-impeachment que integraram o ministério de Dilma. Seis votos que poderiam ajudar a salvá-la diante de uma estimativa de placar entre 59 e 61 votos pela cassação — o mínimo exigido para o impeachment é de 54.
Dilma vai discursar no Senado na segunda (29) pela manhã. Garibaldi diz que a presença dela não deve mudar seu voto. “Eu poderia até votar contra o afastamento se ela tivesse me conquistado, me sensibilizado”.

Uma resposta para “O troco de Garibaldi à arrogância de Dilma”

  1. Ronaldo Mororo disse:

    Esse Garibaldi é um comediante! Conseguiram desbancar grandes nomes e os traze-los ao esquecimento político. Geraldo Melo. Fernando Bezerra, Micarla, Rosalba e tantos outros. Fez até que esquecessem que foi ele que vendeu a cosern e também abafou o caso gusson. Agora traiu Dilma e ainda quer se passar por bom moço. É muita ironia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.