Thaisa Galvão

11 de julho de 2017 às 15:10

Fátima Bezerra ocupa mesa diretora do Senado para impedir votação da reforma trabalhista [0] Comentários | Deixe seu comentário.

A senadora Fátima Bezerra, do PT do Rio Grande do Norte, integrou o grupo de senadoras que sentou à mesa diretora do Senado antes da chegada do presidente da Casa, Eunício Oliveira, e abriu a sessão impedindo a votação da reforma trabalhista.

Veja matéria do G1 e vídeos publicados no Youtube:

 

Senadoras ocupam cadeira do presidente do Senado; Eunício suspende sessão

Após suspensão, luzes foram apagadas. Cinco senadoras sentaram nas cadeiras destinadas aos integrantes da Mesa Diretora. Quando presidente da Casa quis sentar, elas não deixaram

Por Gustavo Garcia, G1, Brasília

 

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), suspendeu nesta terça-feira (11) a sessão aberta para analisar a reforma trabalhista após senadoras da oposição ocuparem a mesa do plenário, onde fica a cadeira do presidente, e se recusarem a deixar o local.

Cerca de cinco minutos após Eunício ter determinado a suspensão, as luzes no plenário foram parcialmente apagadas.

Nessa hora, o painel eletrônico marcava a presença de 49 dos 81 senadores no plenário.

Questionada sobre a situação, a assessoria de Eunício não disse de quem partiu a ordem para desligar as luzes. A oposição diz que a ordem partiu do presidente da Casa.

As senadoras oposicionistas que ocuparam os lugares na mesa são Gleisi Hoffmann (PT-PR), Lídice da Mata (PSB-BA), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), Fátima Bezerra (PT-RN) e Regina Sousa (PT-PI).

Elas sentaram à mesa do plenário assim que a sessão foi aberta, por volta de 11h, quando Eunício ainda não estava no local.

Pelas regras do Senado, qualquer senador pode abrir uma sessão, desde que haja quórum.

Foi isso que as oposicionistas fizeram.

Contrárias à reforma trabalhista, as senadoras aproveitaram a primeira hora da sessão para passar a palavra para outros parlamentares que discursavam contra a proposta enviada pelo governo.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*