Thaisa Galvão

5 de outubro de 2017 às 8:00

Após xingamentos e tentativas de se esconder do eleitorado, deputados aprovam fundo de 1,7 bilhão de dinheiro público para bancar campanhas [0] Comentários | Deixe seu comentário.

Empurra-empurra, xingamentos e troca de ofensas entre deputados.

“Seu bosta”, “seu merda”.

Foi assim que, merecidamente, deputados se trataram no plenário da Câmara na sessão que aprovou, ainda sob muitos questionamentos ao texto do relator Vicente Cândido (PT-SP), o texto-base com as regras para o fundo público de financiamento de campanhas a ser criado. 
Os deputados aprovaram o texto-base da criação do fundo, por meio de um requerimento para que essa votação não fosse nominal, ou seja, não identificasse como cada deputado votou. 

Tipo assim: na surdina, para que os eleitores nos estados não pudessem reconhecer os interessados e interesseiros do dinheiro público em seus estados.
Mas, depois de protestos que quase descambaram para a briga física em plenário, a votação foi levada a revisão devido à revolta generalizada. 

Finalmente, cara e crachá.

Os deputados tiveram que assumir que estavam ali em busca de dinheiro público para bancar suas campanhas.

Coisa inaceitável hoje em dia pela população que não dispõe de escolas públicas de qualidade para formar bons profissionajs, mas se vê obrigado a financiar os “profissionais” da política que na maioria quase absoluta dos casos, não representa quem o elegeu.
E os deputados, mais uma vez conquistando a ira do eleitorado, aprovaram um fundo de R$ 1,7 bilhão, que poderia financiar a segurança pública nos estados onde a população vive a mercê da violência, para financiar as campanhas da desacreditada classe política.
A matéria aprovada vai à sanção do presidente Michel Temer.

Que deverá sancionar sem ressalvas, já que o fundão sem vergonha é a única solução para quem não pode mais tirar dinheiro da Petrobras, da Caixa Econômica, do DNOCS, de Furnas….
CLIQUE AQUI PARA VER O VÍDEO E A REPORTAGEM COMPLETA
Fonte: Congresso em Foco

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.