Thaisa Galvão

30 de maio de 2018 às 8:31

Registro Espúrio: Presidente nacional do Solidariedade e deputados do PTB são alvos de operação da Polícia Federal [1] Comentários | Deixe seu comentário.

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta quarta-feira (30) operação para desarticular organização criminosa suspeita de cometer fraudes na concessão de registros sindicais junto ao Ministério do Trabalho. Entre os alvos da operação estão

Os gabinetes na Câmara Federal, em Brasília, dos deputados federais Paulinho da Força (SP), presidente do Solidariedade, e Jovair Arantes (GO) e Wilson Filho (PB), do PTB, são alvos de operação da Polícia Federal neste momento.

A prisão dos 3 parlamentares chegou a ser pedida, mas o ministro do STF, Edson Fachin, não concedeu.

Os três são investigados por suspeita de “loteamento” do Ministério do Trabalho pelo PTB e pelo Solidariedade, e de comandarem organização criminosa suspeita de cometer fraudes na concessão de registros sindicais junto ao Ministério.

A sede da Força Sindical, em São Paulo, também é alvo da operação.

O ex-deputado e presidente do PTB, Roberto Jefferson, também é alvo da operação e acusado de integrar o núcleo político do esquema junto aos deputados Paulinho da Força e Wilson Filho.

A operação “Registro Espúrio” inclui 64 mandados de busca e apreensão, 8 de prisão preventiva e 15 de prisão temporária, e está sendo cumprida no Distrito Federal, Goiás, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Paraná, Santa Catarina e Minas Gerais.

De acordo com a PF, as investigações revelaram “um amplo esquema de corrupção dentro da Secretaria de Relações de Trabalho do Ministério do Trabalho, com suspeita de envolvimento de servidores públicos, lobistas, advogados, dirigentes de centrais sindicais e parlamentares”.

Uma resposta para “Registro Espúrio: Presidente nacional do Solidariedade e deputados do PTB são alvos de operação da Polícia Federal”

  1. Alisson Ribeiro disse:

    Bom dia!
    As informações nas placas foram corrigidas para que não tenha mais enganos dos nosso clientes.
    Mas gostaria de deixar mais uma vez claro que não trabalhamos com Gasolina Comum, apenas com a aditivada, então a postagem do blog poderia se referir ao “erro” da placa e desfazer o mal-entendido de que estávamos com gasolina comum mais cara que a aditivada. Mesmo assim…
    Agradecemos ao blog pela observação, isso ajuda a corrigir “erros”. Estou Aqui apenas para corrigir um mal-entendido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.