#JornalismoSemFakeNews

7 de agosto de 2018 às 7:41

De dentro do presídio, Lula monta chapa, destrói candidaturas e tenta enquadrar emissora de TV

[1] Comentários | Deixe seu comentário.

Coisas do nosso Brasil varonil…

Uma candidatura à presidência da República sendo discutida em um presídio da Polícia Federal.

O ex-presidente Lula – que teve o nome aprovado pelo PT para ser candidato, mas ainda aguarda posição da justiça eleitoral – está preso ou hospedado em Curitiba?

A impressão que dá é que está hospedado.

Lula define chapas, e articulou o isolamento do presidenciável Ciro Gomes ao ponto do candidato do PDT não conseguir agregar um vice de outro partido e ser obrigado a fechar uma chapa puro-sangue.

De dentro do presídio, dá as cartas em outros partidos também como o PCdoB, que lançou Manuela D’Ávila, mas acabou retirando a candidatura e deixando a ex-presidenciável na fila do plano B.

Hoje o candidato do PT é Lula e o vice o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, também do PT, numa chapa puro-sangue.

Mas, em não conseguindo ser o candidato, caso a justiça eleitoral “tenha coragem” de confirmar sua inelegibilidade, o candidato a presidente será Haddad e Manuela D’Ávila entrará como vice.

Com a faca, o queijo e o poder nas mãos, mesmo de dentro da sede da Polícia Federal, Lula articula até para que a Band, que na quinta-feira fará o 1º debate com os presidenciáveis, se renda como fizeram o PDT e o PCdoB, e guarde a cadeira de Lula.

Ou seja: deixe a cadeira vazia com o nome de Lula.

Ou já coloque no lugar o B-Haddad.

Resta saber se Band vai cair nessa também…

Uma resposta para “De dentro do presídio, Lula monta chapa, destrói candidaturas e tenta enquadrar emissora de TV”

  1. Marcos Souza disse:

    Não adianta se revoltar, é Lula de novo com a força do povo. E continuarem com a perseguição política, Haddad será o presidente, simples. Eu acho engraçado a passividade do jornalismo potiguar com tudo isso que agora critica e sempre ocorreu na política, cuja lei garante ao candidato inelegível ser candidato e praticar atos de campanha, privilegiando o princípio da presunção de inocência em matéria eleitoral. Logo, não adianta espernear, nem reclamar, vai dar PT de novo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.