#JornalismoSemFakeNews

22 de agosto de 2018 às 10:50

Na Fiern, Robinson diz que crise é a mesma, mas estados vizinhos não foram quebrados por grupos que se perpetuaram nos cargos

[0] Comentários | Deixe seu comentário.

Na audiência com o governador Robinson Faria (PSD), nesta terça-feira, o presidente da Fiern, Amaro Sales, acenou com a união de forças em torno do próximo governador, independente de quem seja.

Para isso, a Federação tem que se apresentar como isenta na campanha.

Robinson foi a Fiern acompanhado do vice, Tião Couto (PR), designado na chapa como porta-voz do setor produtivo. “É um empresário de maior sucesso no Rio Grande do Norte”, destacou o governador, anunciando que, caso sejam eleitos, o gabinete do vice será instalado em Mossoró.

*

No discurso para os associados da Federação, o governador traçou uma radiografia de como encontrou o Estado, segundo ele, governado há 60 anos pelos grupos que hoje estão no palanque que lhe faz oposição.

Lembrou que a crise é igual para todos os estados brasileiros, mas os estados vizinhos não estavam quebrados…

Comentando sobre interesses políticos pessoais dos grupos que o antecederam, declarou que “essa ambição quebrou o estado”.

Robinson disse aos empresários que o grupo que ele derrotou, desmontou o palanque no Rio Grande do Norte e montou em Brasília “para impedir a chegada de investimentos em nosso estado”.

Foi quando voltou a falar da Medida Provisória assinada pelo TCU para liberar 650 milhões para o Rio Grande do Norte, numa ação do governo estadual em parceria com a presidência da República.

Repetiu o que tem dito: que detentores de mandatos no RN atuaram para impedir a liberação do dinheiro que, caso tivesse sido repassado, teria atualizado a folha de pagamento dos servidores.

“Eles conseguiram impedir a liberação do dinheiro ameaçando votar contra o governo em Brasília”, afirmou o governador.

“É importante que tenhamos nessa eleição a hora da verdade. Não venham agora posar de moralistas, dizer que quando governaram era diferente. Eles governaram quando o Brasil crescia 5% do PIB ao ano. Venha governar com o PIB negativo como eu governei.
Venha governar o estado que quando eu peguei estava com dois meses da folha paga com dinheiro da Previdência”, desabafou Robinson, lembrando que, enquanto aqui os grupos políticos brigam, no Ceará o governador Camilo “deu as mãos” ao maior adversário, o senador Eunício Oliveira, e em Brasília juntos liberaram recursos para o estado.

“Mesma coisa em Pernambuco, Piauí. Já o Rio Grande do Norte não liberou uma operação de crédito sequer porque não teve apoio da bancada”, disse o governador, afirmando que mesmo assim atravessou o “palanque da sabotagem”.

O candidato-governador foi aplaudido em vários momentos, como quando criticou os Direitos Humanos por atuar na defesa dos bandidos e não das pessoas de bem.

Também foi aplaudido quando mostrou como resultado da viagem a China, a instalação de uma empresa de energia só existente na China, na Alemanha, e agora em Natal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.