Thaisa Galvão

14 de julho de 2019 às 10:41

Guru Olavo de Carvalho começa a justificar possível retirada do nome de Eduardo Bolsonaro para embaixada do Brasil nos EUA [1] Comentários | Deixe seu comentário.

O Planalto já começou a dar marcha à ré na infeliz ideia de transformar o filho do presidente Jair Bolsonaro em embaixador do Brasil nos Estados Unidos.

Possibilidade que virou chacota depois de declarações do presidente, que entende como critério seu Zero Três ser amigo dos filhos do presidente Donald Trump, e do próprio “candidato”, que para se mostrar íntimo da comunidade americana, disse que já fritou hambúrguer nos Estados Unidos.

Frito mesmo foi o nome do deputado e quem começou a tentar salvá-lo foi o guru da família, e principalmente de Eduardo, Olavo de Carvalho.

Em reportagem na Folha de hoje, Otávio, o guru, começou a explicar que Eduardo será mais útil permanecendo como deputado no Brasil.

Leia:

Ricardo Della Coletta

BRASÍLIA

O escritor Olavo de Carvalho afirmou nesta sexta-feira (12) que a ida do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para a embaixada do Brasil em Washington seria um “retrocesso” e representaria “a destruição da carreira” do parlamentar. 

Em um vídeo publicado no YouTube, o guru da família Bolsonaro disse que o deputado assinou um requerimento para a criação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar o Foro de São Paulo —organização que reúne partidos de esquerda na América Latina— e que ele deveria se dedicar a esse tema no Parlamento. 

“Você não pode começar uma coisa dessa envergadura, desse valor e importância, para depois assumir um posto diplomático em que você não vai poder nem falar do assunto. O diplomata tem lá as suas obrigações regulamentares e não vai poder nem ficar falando do Foro de São Paulo. Isso seria um retrocesso, seria a destruição da carreira do Eduardo Bolsonaro”, acrescentou o escritor, que vive no estado da Virgínia, nos Estados Unidos. 

Apesar de ter se manifestado contra a eventual nomeação, Olavo destacou que “está com Eduardo e com o seu pai até a morte” e que é amigo dos dois.  

O presidente Jair Bolsonaro anunciou na quinta-feira (11) que decidiu indicar seu filho Eduardo como embaixador do Brasil nos Estados Unidos, mas que a decisão de aceitar ou não o cargo cabe ao deputado. 

A fala do mandatário ocorreu um dia depois do aniversário de 35 anos do parlamentar, idade mínima requerida para o posto.

A divulgação ocorreu fora dos padrões diplomáticos —a praxe é que o nome de um novo embaixador só seja conhecido depois de consultas formais ao país que receberá o novo embaixador, um trâmite conhecido por agrément.

A possibilidade gerou fortes reações, que vão desde a inexperiência de Eduardo para ocupar a principal função da diplomacia brasileira no exterior a críticas de que o caso configuraria nepotismo.

Tanto Bolsonaro quanto Eduardo dizem que não há nepotismo na indicação. Eles argumentam que o envio do filho do presidente da República para Washington colocaria as relações dos dois países em um outro patamar e ajudaria a estreitar os laços entre Brasil e Estados Unidos. 

*

Recuperando-se no Palácio da Alvorada da extração de um dente, Jair Bolsonaro voltou a abordar o assunto neste sábado (13) nas redes sociais, horas depois de Eduardo tê-lo visitado.

Bolsonaro reproduziu trecho da entrevista que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, concedeu ao lado dele na Casa Branca em março deste ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*