Thaisa Galvão

30 de janeiro de 2020 às 8:49

Bolsonaro exonera duas vezes auxiliar que usou privilégios em serviço mas mantém nos cargos secretário e ministro investigados por corrupção [0] Comentários | Deixe seu comentário.

O presidente Jair Bolsonaro demitiu o número 2 da Casa Civil, Vicente Santini, por ter usado um avião da FAB em setviço numa viagem à Índia.

Santini é amigo dos filhos de Bolsonaro, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), e os dois ajeitaram para ele não ficar sem emprego e Santini foi nomeado para outro cargo, sem nenhum perda já que o salário seria praticamente o mesmo – somente cerca de 350 reais menos do que recebia como número 2 da Casa Civil.

A imprensa divulgou a pouca vergonha e agora Bolsonaro fala em exonerar de novo o amigo dos filhos, que ele mesmo nomeou.

Indignado com a nomeação patrocinada por ele mesmo.

Maaaasss…

Bolsonaro não fala em exonerar o secretário de Comunicação, Fábio Wajngarten nem o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, o primeiro, investigado por beneficiar a própria empresa com dinheiro público que ele mesmo controla e o segundo, indiciado pela Polícia Federal por chefiar o esquema de candidaturas laranjas do PSL.

Como também não emitiu nenhum tom de seriedade nas invextigações de Fabrício Queiroz, apontado como operador do filho Flávio no esquema de rachadinha no gabinete dele quando era deputado estadual.

Foi um deslize qualquer…Bolsonaro vai lá e demite e fica esperando as palmas e ser chamado de mito.

Mas os casos de corrupção, acumulados na porta do gabinete presidencial ou na porta de casa mesmo, o presidente faz que não é com ele, e nem se incomoda de ser chamado de mico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*