Thaisa Galvão

19 de fevereiro de 2021 às 21:49

Os dias difíceis de doentes em busca de vagas de UTI poderiam servir para reflexão de quem nega as medidas restritivas tomadas pelo poder público [1] Comentários | Deixe seu comentário.

O desabafo do médico Auderley Torres, que se diz angustiado por estar sentindo agora o momento mais difícil da pandemia, com pessoas pedindo socorro mas não encontrando, já que vagas nas UTIs não existem, leva a uma reflexão.

Por que negar medidas restritivas?

Por que achar que a redução nos horários de funcionamento de bares e restaurantes, abertos o dia inteiro e ainda até 10 da noite, não cabe como medida cuidadosa?

Porque todo mundo sabe que todo mundo sabe, que sair para almoçar ou jantar, permite às pessoas adotarem protocolos sanitários.

Mas se a noite se alonga, se bebe mais, se junta mais, se sbraça mais, se beija, se aglomera…

É pouco inteligente negar essa possibilidade e declarar, cegamente, que o vírus da covid só aparece depois das 22h.

É negacionismo pensar assim.

O sentimento das famílias que deixam seus doentes em uma sala de estabililização, sem perspectiva de uma vaga em UTI, muitas vezes só esperando a hora de morrer sem ter tido o direito ao atendimento necessário, poderia servir como reflexão para quem dá risada das medidas de proteção.

Uma resposta para “Os dias difíceis de doentes em busca de vagas de UTI poderiam servir para reflexão de quem nega as medidas restritivas tomadas pelo poder público”

  1. Roberto Fernandes disse:

    Sempre digo que existem pessoas que brigam para não pegar covid 19, se protegendo e existem pessoas que brincam com a covid 19, achando que tudo está normal, nunca mais existirá nem um novo normal, este virus foi turbinado em laboratório para matar continuamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.