#JornalismoSemFakeNews

13 de abril de 2021 às 12:31

Menino Henry não tinha uma MÃE

[0] Comentários | Deixe seu comentário.

Vendo o depoimento da ex-babá do menino Henry, que as evidências apontam para possível assassinato, só dá pra se chegar a uma conclusão:

Essa criança não tinha mãe, não tinha sequer avós…

Tinha um pai que não morava com ele, portanto não acompanhava o que acontecia…

E tinha uma babá, que relatava à patroa o que acontecia dentro de casa com a criança.

Monique, a ‘que teve a criança’, chegou ao ponto de mandar a babá mentir em seu depoimento.

Em troca de quê, não foi divulgado após o segundo depoimento da babá nesta segunda-feira.

Se por ameaça ou alguma oferta.

Investigada, a babá teve que falar e confirmou o que já havia dito à patroa em mensagens de whats app um mês antes do menino morrer.

Veja os dois depoimentos da babá Thayná:

No primeiro depoimento (24/3), Thayná disse que:

-Nunca tinha percebido nada de anormal na relação do casal com o menino;

-Que o advogado do casal, André França, pediu que a babá “contasse somente a verdade” à polícia.

No segundo depoimento (12/4), Thayná contou que:

-Soube de três oportunidades diferentes em que Henry foi agredido;

-Monique, a mãe do menino, pediu que ela não contasse nada à polícia;

-Monique também pediu para que Thayná apagasse as mensagens de celular trocadas pelas duas e com Dr. Jairinho;

-Não lhe foi prometida qualquer ajuda financeira para tal;

-A mãe de Monique, avó de Henry, sabia das agressões;

-O casal brigava com frequência.

De acordo com Thayná, no dia 2 de fevereiro, Monique estava no futevôlei quando Henry, no próprio quarto, começou a chamar pela mãe. Jairinho foi até o encontro de Henry, chamando a criança de mimada, e o levou para a suíte do casal. Eles teriam ficado 30 minutos com a porta fechada.

Segundo ela, nesse mesmo dia, já após a escola e na brinquedoteca, Henry não quis brincar com as outras crianças e disse que estava com dor no joelho.

Thayná disse que relatou a situação para a patroa e que Monique retrucou que o filho podia estar inventando.

Dez dias depois, em 12 de fevereiro — data da troca de mensagens recuperadas —, Thayná relatou que Jairinho ficou cerca de 10 minutos no quarto com Henry e, assim que a porta se abriu, o menino foi em sua direção, “amuadinho” e reclamando de dor no joelho.

Quando a empregada perguntou por que ele estava mancando, Henry disse que tinha sido por causa da “banda”, sem dar detalhes.

Depois que Jairinho saiu, Henry relatou as agressões e disse que isso sempre acontecia, mas que Jairinho mandou não contar senão “ia pegar ele”.

O terceiro episódio foi na última semana de fevereiro. Segundo ela, Jairinho chegou inesperadamente e chamou Henry.

Quando o menino voltou, ele relutou a contar o que havia acontecido, parecendo intimidado, mas logo depois disse que havia caído da cama e estava com a cabeça doendo.

Thayná contou que se encontrou com a mãe de Henry no escritório do advogado e que ela pediu que a babá mentisse em depoimento. A babá deveria dizer que nunca havia visto nada,

Monique pediu ainda que ela apagasse todas as mensagens, que não mencionasse as brigas do casal nem sobre as agressões que Henry sofreu.

Avó também sabia das agressões

No novo depoimento, a babá diz que a avó materna sabia das agressões. Segundo ela, uma vez a mãe de Monique, Rosangela, veio lhe perguntar sobre o que havia acontecido com o neto, e Thayná diz que contou tudo à avó de Henry.

Ela diz que contou à avó que Henry estava mancando, com dor na cabeça e com um roxo, porém não quis insistir muito no assunto, porque ficou com medo de Monique achar que ela estava fazendo “fofoca”.

Ainda segundo Thayná, a avó questionou se existiria alguma possibilidade de Henry ter mentido e ela afirmou dizendo que não, até mesmo porque os machucados deixaram marcas.

Brigas frequentes

De acordo com a babá, Jarinho e Monique brigavam com frequência, quase toda semana, entretanto em portas fechadas ou por telefone.

Segundo ela, era comum até que um dos dois estivesse de malas prontas para sair de casa. Mas, estranhamente, mesmo quando ouvia tons mais exaltados, o casal saía se beijando e ficava tudo bem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.