#JornalismoSemFakeNews

31 de agosto de 2021 às 11:04

Henrique, Álvaro e Paulinho: um almoço com comida estragada em Brasília

[0] Comentários | Deixe seu comentário.

Depois de um almoço em Brasília reunindo o prefeito de Natal, Álvaro Dias, o presidente da Câmara, Paulinho Freire e o ex-deputado Henrique Alves…

A impressão que fica, pelo que começou a ser ventilado, é que Henrique continua poderoso, vai comandar um processo para eleger Álvaro governador, fazendo Álvaro e a vice Aíla Ramalho renunciarem em abril para Paulinho assumir a Prefeitura, não ser mais candidato a deputado federal, e apoiar para uma cadeira na Câmara, o ex-prefeito Carlos Eduardo Alves.

Pense num cardápio que tinha alguma coisa estragada.

Henrique abriria mão da sonhada candidatura a deputado, tendo como propósito liderar toda essa articulação para derrotar, não apenas a governadora Fátima Bezerra, mas, principalmente, o deputado Walter Alves, presidente do MDB, que já disse que uma candidatura de Henrique não cabe no MDB.

De tudo o que foi ventilado desse almoço, eis a realidade:

Henrique, que posta no twitter que é procurado por todo mundo…está só.

Álvaro, que para Henrique será governador, terá que garantir, para enfrentar a governadora, o apoio do MDB de Garibaldi e Walter, e do PSDB do presidente da Assembleia, Ezequiel Ferreira.

Abraçado com Henrique, Álvaro não irá para lugar nenhum.

E Paulinho Freire, assumindo a Prefeitura com uma renúncia coletiva da chapa, teria que convocar novas eleições em até 90 dias.

Claro, porque uma renúncia de prefeito e vice não dá ao presidente da Câmara o mandato do Executivo. Um tampão de 3 meses e só.

O que tenta se espalhar desse almoço em Brasília é fogo de palha que só agrada a dois nomes que estão mal das pernas na política: os primos Henrique e Carlos Eduardo Alves, que ainda não encontrou lastro para disputar o governo ou o Senado, e pelo jeito, para se eleger federal, precisa dessa milacria todinha aí articulada por Henrique.

A volta a Brasília fez Henrique se sentir o poderoso que foi durante quase 50 anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.